Tamanho do texto

Suspeito foi detido na região de Juquiá; os policiais já sabiam da ação e não tiveram dificuldade em abordar o criminoso que foi conduzido para delegacia

As matas preservadas do Estado de São Paulo são muito bem vigiadas pela Polícia Militar Ambiental. Qualquer movimento estranho está sendo observado por, água, terra e ar, então difícilmente um crime irá passar pelos olhos dos PMs.

Leia também: Uma demonstração de honestidade em meio a um país emaranhado na corrupção

Polícia Militar Ambiental apreende palmito no interior de São Paulo
Divulgação/Polícia Militar Ambiental
Polícia Militar Ambiental apreende palmito no interior de São Paulo

Na madrugada desta quarta-feira (5), a Polícia Militar Ambiental deu mais uma prova que não vai deixar passar nada. Em uma ação rápida e pensada conseguiu apreender 268 quilos de palmito extraídos de maneira ilegal. "Esse homem já um conhecido no meio, ele já foi preso outras vezes com palmito in natura. A gente já tinha informações sobre os carros que ele usava para fazer o transporte do produto ilegal e fizemos um cerco na região. Geralmente ele tenta fugir, mas dessa vez não teve jeito", afirmou o Sargento Shimoi.

No total, os Policiais conseguiram apreender: 390 vidros de 300g cada, 84 vidros de 1800g cada, com palmitos e também o veículo usado no transporte do material. O suspeito vai ter que pagar uma multa de R$ 160.920,00 pelo crime.

Leia também: Polícia Militar Ambiental prende três homens com mais de mil peças de palmito

"O suspeito é morador de Sete Barras e temos a informação que ele fez a extração na região do Parque Estadual Carlos Botelho. De acordo com o indivíduo, ele receberia até R$ 3 mil pelo material e que venderia esse produto para pizzarias e lanchonetes de Sorocaba", disse o Sargento Shimoi.

O homem foi encaminhado para Distrito Policial de Juquiá onde prestou depoimento e foi liberado. Ele também recebeu uma multa por estar dirigindo sem habilitação.

Os policiais também alertaram para o perigo de consumir esse tipo de produto, já que o cozimento é feito de forma caseira e sem condição nenhuma de higiene, o que pode infectar o palmito causando algum tipo de mal para a saúde. "Essas pessoas fazem o uso ácido cítrico de forma indiscriminada para conservar o palmito, o que é muito perigoso. Consumir esse tipo de produto pode causar doenças graves como o botulismo", afirmou o Tenente Carlos André.

Leia também: Polícia Militar Ambiental atua para afastar balões de aeroportos em São Paulo

A Polícia Militar Ambiental afirma que conta com a colaboração da população para combater esse tipo de crime. As denúncias podem ser feitas através do 190.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.