Tamanho do texto

Na tarde desta quinta-feira, os Policiais do 13º Batalhão da PM acionaram o Canil e os cães encontraram 20 quilos de maconha em um ônibus clandestino

O tráfico pode até achar que vai conseguir esconder alguma coisa, talvez em poucas ocasiões até consiga, mas se o Canil da PM for acionado dificilmente um material ilícito vai passar pelo apurado faro dos cães policiais de São Paulo.

Leia também: Sabão em pó? Canil Central da PM encontra drogas escondidas em máquina de lavar

Cães Nitro e Dilan foram responsáveis pela apreensão da droga
Divulgação/Canil PMESP
Cães Nitro e Dilan foram responsáveis pela apreensão da droga

Na tarde desta quinta-feira (29), o 13º Batalhão da PM, com equipes sob o comando da Tenente Beatriz Miscow, foi chamado para atender uma denúncia de tráfico de drogas. De acordo com a ligação para o 190, um ônibus tinha um passageiro que levava drogas de São Paulo para o Piauí. Mas para evitar abrir todas as bagagens e causar transtorno para todos os passageiros, o Canil da PM foi acionado pelas equipes que fizeram a abordagem no coletivo. A partir daí os cães policiais deram um tiro certeiro.

"O Canil foi acionado pelas equipes que estavam na ocorrência. Antes de chegar ao local, já passamos as orientações de como as malas tinham que ficar para facilitar o trabalho dos cães. Assim que os nossos homens chegaram na Rua Norma Pieruccini Giannotti, não demorou muito e 20 quilos de maconha foram encontrados", afirmou o Tenente Derek.

Após o trabalho de excelência realizado pelos cães Dilan e Nitro, faltava achar o dono das drogas. Mas um homem acabou se entregando e disse que estava fazendo o trabalho de "mula do tráfico" ao levar o material para o Piauí.

"Vale a pena dizer, que além dos 20 quilos de maconha, durante a revista dentro do ônibus, os cães indicaram que uma mochilha também tinha o cheiro característico de entorpecentes. O rapaz acabou dizendo que ele tinha drogas, mas já tinha usado, mas para nossa surpresa ao fazer a pesquisa do RG, ficamos sabendo que ele era um procurado pela justiça", finalizou o Tenente.

Leia também: No Canil da PM, a expressão “melhor amigo do homem” adquire mais intensidade

O dono da droga e o procurado pela justiça foram encaminhados para o DENARC, onde a ocorrência foi apresentada. Participaram da ação o Sargento William, Cabo monteiro, Soldado Souza, Cabo L. Monteiro, Soldado ferreira e Cabo Pedro. Juntos, também estavam os Cães Policiais, Nitro (Pastor Holandês) e Dilan (Pastor Belga Malinois).

Droga apreendida na região da Barra Fundo, São Paulo
Divulgação/Canil PMESP
Droga apreendida na região da Barra Fundo, São Paulo


Você sabe quantos cães trabalham na Polícia Militar?  

O estado de São Paulo possui 25 Canis. No Central, temos 37 cães na ativa, mas no total são cerca de 300. Além de servir de base operacional para as missões na cidade de São Paulo, o Canil Central é onde acontecem todos os cursos de especialização, atualização e reciclagem dos Policiais de todos os canis do estado. É também onde fica o centro veterinário.

Quais são as raças de cães que a PM usa?  

São seis raças: Pastor Alemão, Pastor Holandês, Pastor Belga Malinois, Rottweiler, Bloodhound e Labrador. As missões de cada raça são divididas de acordo com suas habilidades específicas, como: faro, resistência, inteligência, agressividade, etc... Um Labrador, por exemplo, não é indicado para fazer policiamento ostensivo, porque geralmente não possui a agressividade necessária. Normalmente, o Labrador é usado para farejar entorpecentes e explosivos. Já o Pastor Belga Malinois é utilizado para policiamento e também faro. O Bloodhound tem aptidão para busca de pessoas. 

Leia também: 'Se correr, o Canil da PM pega': Batalhão de Choque dá prejuízo ao tráfico em SP

Veja imagens do Canil da PM e dos treinamentos realizados pelos Policiais:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.