Tamanho do texto

Metroviários protestam contra alterações nas jornadas de trabalho feitas pela direção da empresa; paralisação deverá afetar as linhas 1, 2, 3 e 5

Funcionários do Metrô protestam contra alterações na jornada de trabalho e mudanças em horários
Divulgação
Funcionários do Metrô protestam contra alterações na jornada de trabalho e mudanças em horários

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo anunciou que fará uma paralisação na próxima sexta-feira (5) nas linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 5-Lilás do Metrô de São Paulo. A categoria protesta contra o aumento na jornada de trabalho.

Leia também: Centrais vão ao Senado para negociar reformas e não descartam nova greve

Em assembleia realizada na terça-feira (2), os trabalhadores aprovaram a greve “por conta da postura da empresa em aumentar a jornada dos metroviários”. “Apesar de declarar que é favorável à intrajornada de meia hora, o Metrô está implantando o intervalo de uma hora de forma autoritária, aumentando a jornada e provocando muitos transtornos aos metroviários”, diz nota publicada no site do sindicato.

Ainda de acordo com o comunicado, sentença da Justiça do Trabalho “não autoriza nenhuma alteração de escala, não determina horário de entrada ou saída”. Ou seja, segundo o sindicato, a Justiça não autoriza a Companhia do Metropolitano “a fazer mudança de escala e não determina horário de intervalo entre a quarta e sexta hora”.

Leia também: Agentes penitenciários invadem sede do Ministério da Justiça, em Brasília

A entidade diz que “sempre lutou pela manutenção dos 30 minutos” e que propôs à empresa que “momentaneamente a intrajornada de uma hora ocorresse dentro das jornadas atuais”.

O sindicato afirma ainda que a companhia alterou o horário dos trabalhadores da manutenção noturna. De acordo com a entidade, os funcionários saiam do trabalho por volta das 5h30 e, agora, terão de deixar os postos por volta de 8h.

No dia 28 de abril, os metroviários de São Paulo paralisaram as atividades para aderir à greve geral convocada pelas centrais sindicais em protesto contra as reformas da Previdência e trabalhista. Outra paralisação – pelo menos motivo – foi realizada em 15 de março.

Leia também: Governo avalia greve geral como "fracasso", segundo ministro

Nova assembleia está marcada para esta quinta-feira (4) para acertar os detalhes da paralisação na sexta-feira.

Outro lado

O Metrô foi procurado pelo iG para comentar sobre as informações divulgadas pelo Sindicato dos Metroviários de São Paulo, mas não se pronunciou até o momento da publicação desta reportagem. A Secretaria de Transportes Metropolitanos também não informou se pretende acionar à Justiça e se irá ativar na sexta-feira o Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência), no qual ônibus da SPTrans auxiliam no atendimento à demanda de passageiros na capital paulista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.