undefined
Sindicato dos Metroviários/SP
Greve dos ferroviários nas linhas 7-Rubi e 10-Turquesa foi encerrada no início da noite desta terça-feira (11)

 Depois da assembleia sindical realizada nesta terça-feira (11) em São Paulo, os funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) decidiram retomar ao trabalho e colocar fim à greve que teve início no começo do dia. A paralisação que interditou o funcionamento das linhas 7-Rubi, interligando as estações Luz à Jundiaí, e 10-Turquesa, que conecta Brás e Rio Grande da Serra, interferiu na vida de cerca de 800 mil pessoas.

Leia também: Trabalhadores da CPTM prometem greve para esta terça-feira

 De acordo com a CPTM , até às 18h as operações dos trens já estariam reestabelecidas na linha 10. Enquanto a linha 7 já estava funcionando normalmente desde às 17h entre as estações Luz e Francisco Morato, porém com maior intervalo. “Na extensão, de Francisco Morato a Jundiaí, o atendimento continua sendo feito por PAESE, com ônibus da EMTU”, afirmou a companhia.

O Sindicato dos Ferroviários informou que apesar de terem decidido retomar às atividades, o retorno não significa que a categoria aceitou a proposta de parcelamento do valor a ser pago do PPR 2016. “O sindicato vai entrar com ação de cumprimento cobrando a multa prevista no acordo do PPR, uma vez que a CPTM pagou diferente do que foi acordado”, declarou a associação.

Leia também: Greve de funcionários da CPTM prejudica mais de 800 mil pessoas em São Paulo

Reivindicações

A paralisação foi decidida um dia antes, na noite da última segunda-feira (10), em assembleia com o Sindicato dos Ferroviários e funcionários da companhia. Os trabalhadores pedem o pagamento do Programa de Participação de Resultados (PPR) de 2016 que, de acordo com o sindicato, deveria ter sido destinado aos funcionários em única parcela no dia 31 de março.

No entanto, a companhia encarou a greve como “irresponsável”, e afirmou que o pagamento será feito em duas vezes, com a segunda parcela de 50% sendo paga somente em junho, no dia 16. “com valor corrigido pelo índice acumulado nos meses de abril e maio deste ano, evitando qualquer prejuízo financeiro aos seus colaboradores”, afirmou em nota a empresa.

Leia também: CPTM entrará na Justiça contra a greve dos ferroviários em São Paulo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários