Tamanho do texto

Greve afetou usuários das das linhas 10-Turquesa e 7-Rubi nesta manhã; funcionários decidem ainda nesta tarde se a paralisação será mantida

Ponto de ônibus lotado em frente à Estação Ribeirão Pires da linha 10-Turquesa da CPTM nesta manhã
Twitter/Mobilidade Sampa
Ponto de ônibus lotado em frente à Estação Ribeirão Pires da linha 10-Turquesa da CPTM nesta manhã

A greve dos funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) prejudica nesta terça-feira (11) cerca de 800 mil passageiros. Os funcionários da empresa realizarão nova assembleia às 15h desta tarde para definir se continuam ou não com a paralisação.

De acordo com levantamento da CPTM , a greve afeta 360 mil pessoas que usam diariamente a Linha 10-Turquesa, que está fora de serviço, e 440 mil que dependem da Linha 7-Rubi, cuja operação ocorre em velocidade reduzida.

A estação Prefeito Celso Daniel, na cidade de Santo André (ABC Paulista), era uma das mais tumultuadas no início da manhã. Os passageiros que precisavam embarcar para São Paulo reclamaram da falta de informações.

“Estou esperando algum funcionário passar uma previsão para a gente, porque eu cheguei aqui e está tudo fechado; não tem uma pessoa para informar. Vou esperar mais um pouco e ir embora”, disse a administradora Vanessa Ferreira de Souza, de 28 anos. Ela precisava ir até a região da Avenida Paulista, na capital, para trabalhar e espera não sofrer desconto no salário. “Eles não devem descontar, a greve não é culpa minha”.

Já Eliane Maria dos Santos, de 31 anos, optou por utilizar os serviços do aplicativo Uber para ir até a região central de São Paulo. “Eu tenho um pequeno comércio e preciso fazer compras nas lojas de roupas do Brás, porque acho mais rápido e cômodo pegar o trem. Não estava sabendo da greve”, disse ela.

Leia também: Morador que pintou muro do beco do Batman de cinza autoriza novos grafites

Reivindicações

Os funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos decidiram pela greve em assembleia na noite desta segunda-feira (10). Os trabalhadores reivindicam o pagamento do Programa de Participação de Resultados (PPR) de 2016. De acordo com o Sindicato dos Ferroviários, os valores deveriam ter sido pagos em parcela única no dia 31 de março.

A CPTM classificou a greve de seus funcionários como "irresponsável". “O pagamento da segunda parcela (50%) do PPR 2016 aos empregados será efetuado no dia 16/06/2017, com valor corrigido pelo índice acumulado nos meses de abril e maio deste ano, evitando qualquer prejuízo financeiro aos seus colaboradores”, informa a nota. Segundo a companhia, os empregados deverão manter 75% da operação nos horários de pico e de 60% nos demais horários.

Leia também: Atraso no metrô de SP pode render lucro para as próprias responsáveis por demora

*Com informações e reportagem da Agência Brasil