Atirador é o assessor concursado do MPF Guilherme Wanderley Lopes da Silva, de 44 anos, que está foragido
Reprodução/ Google Maps
Atirador é o assessor concursado do MPF Guilherme Wanderley Lopes da Silva, de 44 anos, que está foragido

O procurador-geral adjunto do Rio Grande do Norte, Jovino Pereira Sobrinho, e o promotor de Justiça Wendell Beetoven Ribeiro Agra – lotado no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) – foram baleados por volta das 11h da manhã desta sexta-feira (24) na sede do Ministério Público Federal (MPF) do estado, em Natal.

Leia também: QG da Lava Jato, Superintendência da PF em Curitiba tem princípio de incêndio

Segundo a assessoria do MPF , o autor dos disparos é Guilherme Wanderley Lopes da Silva, de 44 anos, servidor concursado do órgão que trabalhava como assessor de uma procuradoria. A assessoria não soube informar se Silva estava de serviço ou não. O suspeito fugiu em um automóvel Polo de cor prata.

Até o momento, nem o Ministério Público nem a Polícia Militar sabem explicar o que teria motivado o crime.

Leia também: Três guardas são feridos em confronto com usuários de drogas na cracolândia

De acordo com relato de testemunhas, Guilherme Wanderley Lopes da Silva ingressou na sala onde o procurador-geral adjunto do Estado e o promotor de Justiça participavam de uma reunião administrativa e, bastante exaltado, sacou a arma e disparou.

Você viu?

Baleados

A equipe médica do Walfredo Gurgel informou que Jovino Pereira Sobrinho foi atingido por um tiro no abdômen e que Wendell Beetoven Ribeiro Agra foi alvejado no tórax. 

O procurador-geral e o promotor foram inicialmente levados para o Pronto-Socorro Clóvis Sarinho e, de lá, transferidos para o hospital público Monsenhor Walfredo Gurgel, onde foram operados e permanecerão no Centro de Recuperação até que possam ser transferidos para o hospital particular São Lucas.

Leia também: PF apreende munições de fuzil AK 47 que seriam entregues a traficantes no Rio

Apontado como um dos alvos do atirador, o procurador-geral de Justiça, Rinaldo Reis, disse em entrevista coletiva no início da noite desta sexta-feira, que Silva nunca respondeu a nenhum procedimento administrativo e era considerado um funcionário “normal e simpático”, jamais tendo apresentado qualquer “anormalidade”.

Segundo informações da "Globo News", na fuga, Guilherme Wanderley Lopes da Silva também efetuou disparos no estacionamento do MPF. Pelo menos cinco tiros foram ouvidos, mas não houve novos feridos. A Polícia Militar está fazendo buscas pela região, mas ainda não encontrou o servidor.

* Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários