A operação deflagrada nesta terça tem como base a apuração de R$ 5,4 milhões em propinas para empresas de Heitor Lopes
Divulgação/Metro Rio
A operação deflagrada nesta terça tem como base a apuração de R$ 5,4 milhões em propinas para empresas de Heitor Lopes

O diretor da Companhia de Transportes sobre Trilhos do Estado do Rio de Janeiro (RioTrilhos), Heitor Lopes de Sousa Junior, e o subsecretário de Turismo do estado e ex-subsecretário de Transportes, Luiz Carlos Velloso, foram presos na manhã desta terça-feira (14) em um novo desdobramento da Operação Lava Jato. Eles foram indiciados por corrupção e lavagem de dinheiro.

Leia também: Delegado da Polícia Federal é preso em operação no Paraná

A ação, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em parceira com o Ministério Público Federal (MPF) e a Receita Federal, foi batizada de Operação Tolypeutes e investiga corrupção e pagamento de propina sobre contratos da linha 4 do Metrô.

Essa etapa da Lava Jato foi aberta por ordem do juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro e tem como base o acordo de leniência da Carioca Engenharia.

Segundo o acordo, o esquema de corrupção que existia na Secretaria de Obras do Rio de Janeiro – com a cobrança de propina das empreiteiras envolvidas em contratos bilionários de obras civis – se repetia na Secretaria de Transporte.

A investigação apura a entrega de R$ 5,4 milhões em propina, de 2010 a 2013, para empresas de Heitor Lopes. Ao todo, foram 31 transferências.

Você viu?

Leia também: Silas Malafaia é alvo de Operação da PF contra fraude em royalties

A principal forma de esconder a propina era a criação de aditivos que aumentavam os custos dos projetos e alteravam o escopo técnico das obras.

Operação Tolypeutes

Os 40 policiais envolvidos na operação cumprem também 13 mandados de busca e apreensão e três mandados de condução coercitiva. Um dos mandados de condução coercitiva, inclusive, tem como alvo a companheira de Luiz Carlos Velloso, Renata Loureiro Borges Monteiro.

Também foi determinado, pelo juiz Marcelo Bretas, o bloqueio de R$ 220 milhões de sete pessoas e três empresas. Todos teriam envolvimento no esquema de corrupção e entrega de propina.

Leia também: Rio: polícia volta a ocupar Cidade de Deus para prender suspeitos por confrontos

O nome da Operação Tolypeutes foi inspirado no Tolypeutes (nome científico do gênero das espécies de tatu-bola), em uma referência ao “Tatuzão”, equipamento utilizado nas escavações das obras do metrô. 

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários