Tamanho do texto

Segundo apuração do Gaeco, denunciados praticaram, entre 2005 e 2008, 340 furtos contra a fundação que obtém os recursos usados em pesquisas

Fundação Butantan obtém recursos para o Instituto Butantan produzir imunobiológicos, soros e vacinas
Márcia Alves/Secretaria da Cultura do Estado de SP
Fundação Butantan obtém recursos para o Instituto Butantan produzir imunobiológicos, soros e vacinas

O Ministério Público de São Paulo denunciou nesta quinta-feira (23) 11 pessoas acusadas de praticar crimes ao longo de quatro anos contra a Fundação Butantan, órgão responsável por arrecadar os recursos para as pesquisas desenvolvidos no Instituto Butantan.

De acordo com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), os denunciados teriam praticado 340 furtos contra a Fundação Butantan entre os anos de 2005 e 2008.

A promotoria paulista identificou desvios de ao menos R$ 33,4 milhões relacionados ao esquema. Os promotores calculam que, em valores atualizados, a quantia seria capaz de atingir a marca de R$ 100 milhões.

A denúncia foi oferecida à 15ª Vara Criminal da Justiça de São Paulo e aguarda análise.

Segundo o promotor Nathan Glina, do Gaeco, o esquema de furtos teve início quando um gerente admnistrativo que tinha acesso a senhas de contas bancárias percebeu que algumas das contas correntes vinculadas à fundação não eram contabilizadas.

"Ele começou a junto a alguns funcionários a fazer subtrações do dinheiro que vinha do Ministério da Saúde para a Fundação Butantan. O dinheiro passava direto das contas do órgão para as próprias contas pessoais dos denunciados", explica Glina.

O promotor explica que, para realizar o furto de volumes maiores sem despertar suspeitas, o grupo "sofisticou" o esquema a partir de novembro de 2006. Na ocasião, o gerente que iniciou os desvios abriu uma conta bancária em nome de uma empresa que não tinha vínculo com seu nome e passou a transferir os valores para esse fundo.

Com as quebras de sigilo bancário autorizadas pelo Poder Judiciário, o Gaeco conseguiu verificar que grande parte do dinheiro subtraído se destinava aos 11 denunciados. Segundo o promotor Nathan Glina, não se pode descartar a possibilidade de mais pessoas terem sido beneficiadas pelos desvios.

Foi também objeto de denúncia o crime de uso de documento falso para a abertura fraudulenta de conta bancária para operacionalizar maior volume de furtos objeto da denúncia.

LEIA MAIS: Atraso no metrô de SP pode render lucro para as próprias responsáveis por demora

Fundação

A Fundação Butantan obtém para o Instituto Butantan as verbas públicas para a produção de imunobiológicos, soros, vacinas e outros tantos produtos importantíssimos para a saúde da população brasileira, para a produção científica e o desenvolvimento nacional.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.