Tamanho do texto

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse que ainda não estudou como ficará o andamento dos processos da Lava Jato

Ministra Cármen Lúcia disse que ainda não analisou como fica o andamento da Lava Jato
José Cruz/Agência Brasil
Ministra Cármen Lúcia disse que ainda não analisou como fica o andamento da Lava Jato


A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, afirmou que ainda não analisou como vai ficar o andamento dos processos da Operação Lava Jato. O ministro Teori Zavascki, morto em em acidente de avião na tarde desta quinta-feira (19), era o responsável pela condução das investigações na Corte. “Não estudei nada por enquanto. A minha dor é humana, como eu tenho certeza é a dor de todo brasileiro por perder um juiz como esse", declarou.

LEIA TAMBÉM: Polícia Federal e MPF vão investigar causas de acidente que matou Teori Zavascki

Quando recebeu a notícia da morte de Teori , a ministra estava em Belo Horizonte e voltou a Brasília no início da noite para acompanhar o caso. Visivelmente abatida, Cármen Lúcia foi direto do aeroporto ao STF para falar com os jornalistas sobre a morte de Teori, a quem definiu “um amigo super afetuoso, leal, digno”.

Durante a entrevista, a ministra reiterou que o velório de Teori acontecerá em Porto Alegre, onde reside a família dele, ao invés de ser no Salão Branco do STF, como é tradicional na Corte. Cármen Lúcia também afirmou estar em contato constantemente com a família do ministro, de quem veio o pedido para que o velório acontecesse na capital gaúcha, onde ele morava e onde construiu sua carreira. "O Supremo acata e dará todo o suporte para tudo que for necessário”, afirmou a presidente do STF. A data do velório não foi definida ainda, pois o Corpo de Bombeiros de Paraty (RJ) segue realizando o trabalho de busca dos corpos.

LEIA TAMBÉM:  A pedido da família, velório de Teori Zavascki deve acontecer em Porto Alegre

“O Supremo se ressente e vai ressentir sempre da perda de um juiz como esse. Esperamos agora que o desenlace dos acontecimentos aconteça de uma maneira bem humana”, finalizou.

Regimento Interno

O Artigo 38 do Regimento Interno do Supremo prevê que os processos devem ser herdados pelo juiz que ocupar a vaga. Desta forma, seria preciso esperar a escolha de um novo ministro pelo presidente da República para substituir Teori e, com isso, assumir todos os processos do magistrado, incluindo os da Lava Jato.

LEIA TAMBÉM: De impeachment a Lava Jato: Teori Zavascki foi responsável por casos históricos

*Com informações da Agência Brasil