Tamanho do texto

Na Penitenciária da Alcaçuz, membros de uma facção tentaram invadir um pavilhão onde estariam integrantes do PCC; governador do Rio Grande do Norte afirmou que forças policiais estão se preparando para entrar no local

Presidiários de Alcaçuz voltaram a entrar em confronto nesta quinta-feira (19), depois de 26 mortos no fim de semana
Globonews/ Reprodução
Presidiários de Alcaçuz voltaram a entrar em confronto nesta quinta-feira (19), depois de 26 mortos no fim de semana

A penitenciária de Alcaçuz é palco de novos confrontos violentos nesta quinta-feira (19)  entre os presidiários de duas facções criminosas diferentes. A Polícia Militar permanece do lado de fora do presídio em Nísia Floresta, região metropolitana de Natal, Rio Grande do Norte, e reagiu com balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo. De dentro da prisão, detentos gravaram cenas da manhã desta quinta e publicaram em redes sociais.

Nos dois vídeos é possível ouvir presidiários comentarem sobre a troca de tiros e apontam truculência. Nesta quinta, membros de uma facção tentaram invadir um pavilhão onde estariam integrantes do PCC. Em entrevista à “Globo News”, o governador do Rio Grande do Norte afirmou que forças policiais estão se preparando para entrar na penitenciária de Alcaçuz na tarde desta quinta. Neste momento, os policiais devem conter o confronto em uma espécie de “paredão humano”.

Veja vídeos:




Para o procurador-geral de Justiça do Rio Grande do Norte, Rinaldo Reis, também em entrevista ao canal de TV, a PM deve entrar com “urgência” na prisão para conter os confrontos. Além disso, ele apontou a necessidade de diminuir a superlotação encontrada neste presídio.

Na tarde desta quarta-feira (18), o Batalhão de Choque entrou no local a fim de transferir pelo menos 200 detentos para outros presídios, na tentativa de evitar novos confrontos.

Ônibus e prédios públicos atacados

A Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social do Rio Grande do Norte registrou 28 ocorrências de ataques a ônibus, terminais urbanos, viaturas do governo, delegacias e outros prédios públicos na capital do estado, além de outras cinco cidades potiguares, desde a tarde desta quinta.

+  Batalhão de Choque entra em presídio do RN onde 26 foram mortos

Segundo as informações divulgadas, foram incendiados 21 ônibus, seis carros e um caminhão. Sete pessoas foram detidas e conduzidas a delegacias. De acordo com o secretário de Segurança Pública, Caio Bezerra, existe a possibilidade de que esses ataques tenham relação com a transferência de presidiários realizada nesta quinta-feira pelo Batalhão de Choque. Tal ligação está sendo investigada.

“As nossas forças de segurança estão mobilizadas para garantir a normalidade nas ruas e as investigações sobre possíveis retaliações já estão sendo feitas.” Há cinco dias, as autoridades de segurança pública estaduais tentam retomar o controle do presídio, localizado na região metropolitana de Natal.

A onda de ataques nas últimas 24 horas levou rodoviários e empresas de transporte urbano a recolherem os ônibus desde as 18h de quarta-feira. Na manhã desta quinta, alguns veículos do transporte urbano voltaram à circulação, mas há atrasos. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores e Transportadores Rodoviários (Sintro-RN), alguns ônibus saíram das garagens escoltados por viaturas policiais.

Oitavo corpo é identificado após rebelião que matou 26 em presídio no RN

A penitenciária de Alcaçuz vive a situação de tensão desde o último final de semana, quando os confrontos e ameaças entre os presos membros de facções criminosas rivais iniciaram, com a morte de pelo menos 26 deles em uma rebelião que durou mais de 14 horas entre sábado e domingo.