Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas
"Não nos confundam com essa gente", diz Boulos, que classifica Paulinho, Temer e Cunha como "figuras nefastas"

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, foi detido na manhã desta terça-feira (17) durante a reintegração de posse de um terreno ocupado na zona leste da capital paulista.

+ Militantes do MTST são retirados de terreno na zona norte de São Paulo

A operação resultou em conflito entre moradores e a Tropa de Choque da Polícia Militar, que utilizou gás de pimenta e bombas de gás lacrimogêneo. No terreno particular, onde foram construídas casas de alvenaria e de madeira, moravam 700 famílias.

Boulos foi detido por "descumprimento de decisão judicial e incitação ao crime", segundo os policiais. Integrantes do movimento disseram que o advogado dos moradores também foi levado para a delegacia, mas a Secretaria da Segurança Pública ainda não confirmou a informação.

"Um verdadeiro absurdo, uma vez que Guilherme Boulos esteve o tempo todo procurando uma mediação para o conflito. Neste momento, o companheiro Guilherme está detido no 49ª DP de São Mateus", afirma uma nota oficial do MTST. 

Você viu?

+ MTST e sindicatos no País protestam contra PEC do Teto e bloqueiam rodovias

"Não aceitaremos calados que, além do massacre ao povo da ocupação Colonial, jogando-o nas ruas, queiram prender quem tentou o tempo todo e de forma pacífica ajudá-lo”, diz a nota.

Ocupação em São Mateus

A ocupação, chamada comunidade Colonial, está localizada no bairro São Mateus, na zona leste da cidade, na Rua André de Almeida. As famílias vivem no local há um ano e meio. Neto Brasil, integrante da coordenação do MTST, disse que o terreno, antes da ocupação pelas famílias, era usado para crimes e desova de corpos.

+ Após pressão do MTST, governo recua e promete moradias do Minha Casa Minha Vida

Uma das pessoas despejadas, Maria Sônia Rodrigues da Silva, de 61 anos, vivia com as duas filhas na comunidade. “Aqui só tem criança, cadeirantes, pessoas idosas, adolescentes. A gente não quer nada de graça não, a gente quer comprar [o terreno]”, disse ela. A idosa e as filhas estavam no local há um ano e meio. “Eu não tenho onde morar, nem elas. Essa terra estava abandonada há 40 anos”, completou.

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários