Tamanho do texto

Rafael Greca (PMN) está no Hospital Marcelino Champagnat, devido a uma embolia pulmonar; estado de saúde do prefeito é considerado estável

Rafael Greca durante a cerimônia de posse da Prefeitura de Curitiba no último domingo (1º)
Divulgação
Rafael Greca durante a cerimônia de posse da Prefeitura de Curitiba no último domingo (1º)

O prefeito recém-empossado de Curitiba, Rafael Greca (PMN), de 60 anos, foi internado nesta segunda-feira (2) no Hospital Marcelino Champagnat, devido a uma embolia pulmonar. Greca tomou posse no domingo (1º)  e, de acordo com a assessoria de imprensa, passou o dia bem, até que nesta segunda-feira, por volta do meio-dia, sentiu falta de ar.

Doria anuncia corte de 15% em contratos e em 30% dos cargos comissionados em SP

O estado de saúde do prefeito de Curitiba é considerado estável, porém, ele ficará internado por até 48 horas para a administração de medicamentos. No sábado (31), Greca teve um quadro com suspeitas de problemas cardíacos, fez exames, e a suspeita foi descartada.

Rafael Valdomiro Greca de Macedo é curitibano e tem 60 anos. Foi prefeito de Curitiba de 1993 a 1996. Greca é economista e engenheiro urbanista. Além disso, é escritor, poeta, editor e pesquisador de história e membro da Academia Paranaense de Letras.

Kalil exonera 2,8 mil funcionários um dia após assumir a prefeitura de BH

Em 1999, foi ministro de Esporte e Turismo no início do segundo mandato presidencial de Fernando Henrique Cardoso. Ficou no cargo até maio de 2000. Quando aceitou um cargo no primeiro escalão do governo FHC, tinha sido eleito deputado federal, sendo o mais votado do Paraná

Em 2002, Greca foi eleito deputado estadual com 51.921 votos. Quatro anos depois, tentou a reeleição mas chegou apenas à suplência. Este ano, concorreu à prefeitura de Curitiba pelo PMN, mas já foi do PMDB, PFL (atual DEM), PDT e PDS (extinto em 1993).

Polêmica

Durante a campanha, Rafael Greca se viu em meio envolveu em uma polêmica após declarar que "vomitou" ao sentir o cheiro de uma pessoa pobre . A declaração foi feita nesta no dia 22 de setembro durante sabatina na Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Curitiba. Greca ressaltava a atuação de grupos religiosos no atendimento à população pobre.

"Eu nunca cuidei dos pobres. Eu não sou São Francisco de Assis. Até porque a primeira vez que eu tentei carregar um pobre pra dentro do meu carro eu vomitei por causa do cheiro", declarou o então candidato.

Greca – eleito em Curitiba com 53,25% dos votos (461.736 no total) – usou as redes sociais para se defender das críticas, alegando que sua declaração foi "descontextualizada para tentar enganar as pessoas". "Mesmo assim peço perdão pela minha falta de clareza ao relatar a minha primeira experiência com o resgate social", ponderou.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.