Geraldo Alckmin
Divulgação
Geraldo Alckmin

Um dia após deixar o PSDB, o  ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin disse, nesta quinta-feira, que o "segundo passo", ou seja, anunciar a qual partido irá se filiar, depende de "conversar muito" e "ouvir muito". Cotado para ser candidato a vice-presidente na chapa do petista Luiz Inácio Lula da Silva , Alckmin analisa convites para entrar no PSB, PSD e no Solidariedade.

Aliados esperam uma decisão de Alckmin para o ano que vem. O ex-governador é conhecido por não tomar decisões no calor do momento. A desfiliação do PSDB, por exemplo, concretizada ontem, vinha sendo ventilado há sete meses.

Em um discurso durante congresso no Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos (Sindnapi), em Mongaguá, no litoral paulista, Alckmin disse que os políticos devem focar na "pacificação" do país.

"Eu dei o primeiro passo. Agora, nós vamos ouvir muito, conversar muito, para poder dar um segundo passo. Então, vamos aguardar, a hora é de ouvir bastante e conversar bastante. E nesse momento, é o momento de grandeza política, de espírito público e de união", afirmou Alckmin.

Leia Também

Sobre a saída do PSDB, o político afirmou que a desfiliação ocorreu devido a mudanças que aconteceram no partido ao longo do tempo.

"Fui um dos fundadores do PSDB, 33 anos atrás. Não é com alegria que a gente faz isso. Mas é necessário. Estamos vivendo um outro momento da vida política".

Ao comentar a polarização política, o ex-governador afirmou que "retomar o diálogo" é fundamental para que o país volte a ter crescimento econômico.

"O que é importante nesse momento, que o país passa por dificuldade, é a pacificação, e o primeiro passo para isso é retomar o diálogo, para poder enfrentar o grande desafio que é a retomada do crescimento, as pessoas terem emprego, renda, poderem viver dignamente".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários