Talibã
Divulgação
Talibã

Com uma crise econômica que já dura décadas e com o Talibã de volta ao poder após quase 20 anos, o Afeganistão vive uma situação caótica e a escassez de meios de sobrevivência tem levado pais e mães a venderem os próprios filhos para pagar dívidas.

Em entrevista ao Deutsche Welle, Mohammad Ibrahim, um residente de Cabul, apontou que aceitou negociar a filha de 7 anos para que a família não tivesse a casa queimada. "O homem era uma pessoa rica. E eu não tinha outra opção e aceitei oferecê-la em troca de 65.000 afeganes (em torno de 620 euros, ou quase R$ 4.000)", afirmou.

Já na província de Badghis, que vive uma seca prolongada, Najeeba, uma jovem que vive em um acampamento, foi trocada por sua família por 50.000 afeganes.

"Faz muito frio durante a noite, e não temos nada para aquecer nossas casas. Queremos que as ONGs nos ajudem. Ainda sou uma menina. Eu tenho dois irmãos, uma irmã e uma mãe. Eu não quero me casar. Eu quero estudar e ser educada", relatou Najeeba.

Dados da Unicef apontam que, em 2020, quase metade da população do Afeganistão era tão pobre que lhes faltavam necessidades como nutrição básica ou água limpa.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários