Prédio do Grupo Alliar
Divulgação
Prédio do Grupo Alliar


Em meio à disputa pelo controle da Alliar Médicos à Frente, os acionistas do bloco de controle rejeitaram a proposta de aquisição de até 24 milhões de ações da companhia. A proposta feita pela MAM Asset Management, veículo de investimento do empresário Nelson Tanure, foi 190% superior ao preço alvo das ações pleiteadas.


Atualmente, Tanure possui 27% de participação no grupo empresarial e desejava adquirir mais 20%. Para isso, ele ofereceu R$ 19 por ação, caso a proposta seja aceita até a próxima quarta-feira (3).


Próximo dos R$ 20 do IPO, o valor representa um prêmio de 26% sobre a atual cotação (de R$ 15) e é 65% maior que a oferta da Rede D'Or, que tentou comprar todas as ações da companhia ao fazer uma Oferta Pública de Aquisição de Ações, em agosto.

Leia Também


Ainda assim, a decisão dos médicos acionistas foi unânime em rejeitar a oferta. Fontes relataram, no entanto, que a intenção da maior parte deles era aceitar a proposta, mas um acordo de acionistas que formou o bloco majoritário impede a venda individual de ações até fevereiro de 2022. Com isso, a avaliação é de que a rejeição foi decidida pelos acionistas mais poderosos do grupo. "Vendo que as ações estão valorizando desde a entrada do Nelson Tanure, eles enxergam que há oportunidade de ganhar mais dinheiro", afirmam.


Diante dessa situação, analistas mantiveram a recomendação neutra ao apontar que o preço alvo é de R$ 10 por ação. Ainda que o valor tenha subido por interesse de terceiros em obter o controle acionário da rede, a rejeição da proposta deve levar a uma diminuição dessa oferta no curto prazo.


Além disso, foi firmado um segundo aditivo ao acordo de acionistas, com o registro da adesão de novos membros. Com eles, o grupo de controle passa a representar cerca de 52,79% das ações ordinárias da companhia. Individualmente, Tanure segue como o principal acionista.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários