Lancha afunda perto da Praia de Grumixama, em Angra dos Reis
Reprodução / Redes Sociais
Lancha afunda perto da Praia de Grumixama, em Angra dos Reis

A Marinha do Brasil descartou, nesta sexta-feira, operações de buscas para encontrar o barco onde estava o casal que morreu em Angra dos Reis, Costa Verde fluminense. A equipe de mergulhadores da delegacia da Capitania dos Portos que participou do resgate do corpo de Leonardo de Andrade, de 50 anos , na última quarta-feira, não confirmou a presença de qualquer casco naufragado no local. Além disso, ainda segundo a nota da Marinha, ele não constituiria risco à segurança da navegação pela profundidade superior a 30 metros.

Dúvidas? Veja perguntas e respostas sobre "passaporte da vacina"

A Polícia Civil ainda aguarda a localização do barco para que seja possível elucidar o que de fato aconteceu com o ex-casal.

— Oficiei a eles (Capitania dos Portos) e ainda não fui comunicado oficialmente sobre isso. De qualquer forma, nós estamos tentando com a iniciativa privada — disse o delegado Vilson de Almeida Silva, titular da 166ª DP (Angra dos Reis), responsável pelas investigações.

Ele reforçou a importância de localizar a embarcação desaparecida há quase um mês para saber o que causou o provável naufrágio:

— Vamos aguardar o resgate do barco para saber o que ocorreu.

Covid-19: Em primeira fase de reaberturas, Rio libera eventos ao ar livre, público em estádios e amplia lotação máxima de estabelecimentos

Na nota, a Marinha explica ainda que, na hipótese de ser constatada a existência de embarcação naufragada, "o proprietário será notificado para que preste esclarecimentos e para que providencie a reflutuação da mesma. Leonardo e a ex-mulher, a corretora de imóveis Cristiane Nogueira, de 48 anos, passavam um fim de semana juntos em Angra dos Reis e tentavam uma reconciliação. Eles pegaram a embarcação, que já havia sido inclusive de Leonardo, emprestada de um amigo do empresário e disseram que veriam o pôr do sol numa ilha próxima.

O corpo de Leonardo foi encontrado próximo à Praia do Provetá, em Ilha Grande. De acordo com o delegado, a identificação foi possível por conta dos documentos encontrados junto ao cadáver. A causa da morte foi apontada como afogamento após perícia realizada no Instituto Médico-Legal. Já o corpo de Cristiane estava na Restinga da Marambaia , Zona Oeste do Rio, também com indícios de afogamento.

Zona Oeste : Milicianos travam guerra por faturamento milionário

Leia Também

No último dia 2, uma boia foi encontrada pela Capitania do Portos, também na Restinga da Marambaia. A confirmação de que o objeto pertence à traineira onde estava o casal foi feita pela polícia. Uma janela compatível com a da embarcação também foi localizada.

A polícia obteve imagens de câmeras de segurança da área externa da casa onde estavam Leonardo e Cristiane pouco antes de saírem para o passeio no mar. As gravações mostram o momento em que o casal deixa o imóvel, pouco depois das 17h do dia 22 de agosto. A filmagem mostra Leonardo saindo da casa primeiro. Cristiane vem em seguida e deixa o local após trancar uma porta. Os dois caminham em direção ao mar. Segundo depoimentos, o empresário tinha conhecimentos de navegação.

Segundo o delegado, a distância entre os dois corpos, de quase 50 quilômetros traçados em linha reta, pode ser explicada pela presença de fortes correntes marítimas que existem na região da Costa Verde onde provavelmente Leonardo e Cristiane afundaram em 22 de agosto.

— A região da Praia do Provetá fica voltada para o mar, com muitas correntes marinhas ali — explica o delegado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários