Bolsonaro
Divulgação
Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro afirmou neste domingo, em um discurso confuso a apoiadores, que, "se preciso for", fará um convite para que o "povo de São Paulo" se pronuncie sobre mudanças no sistema de votação. Ele segue defendendo o uso de papel, embora o sistema eletrônico não tenha apresentado fraudes desde que foi lançado, na década de 1990.

Sem explicar como seria feita essa eventual consulta sobre o voto impresso, Bolsonaro também não falou sobre repetir o ato em outras unidades da Federação e não explicou por que apenas São Paulo seria ouvida.

"Se o povo lá disser que o voto tem que ser auditado, que a contagem tem que ser pública, e que o voto tem que ser impresso, na forma como se propõe a PEC da deputada Bia Kicis, tem que ser desta maneira", disse Bolsonaro.

Ele ainda apontou que não está querendo "impor" nada, alegando ser a "vontade" do povo, e aproveitou para novamente questionar a lisura das eleições, mas uma vez sem apresentar provas. "Quem fala que a eleição é auditada é mentiroso. É quem não tem amor à democracia", acrescentou.

Vale lembrar que a ideia do voto impresso está na comissão especial da Câmara, que retomará os trabalhos na próxima semana, e deve derrubá-la. Diante do fato, Bolsonaro tem aumentado o tom nos últimos dias em favor do voto impresso.

Na última quinta-feira, fez uma transmissão ao vivo nas redes sociais tentando mostrar que as eleições não são limpas. Ao mesmo tempo, admitiu não ter provas, mas sim "indícios" de irregularidades.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários