MPRJ pede na Justiça que concessionária MetrôRio reduza valor da passagem
Degrau Cultural
MPRJ pede na Justiça que concessionária MetrôRio reduza valor da passagem

Uma ação civil pública na Justiça com pedido de tutela de urgência antecipada requer que a Justiça determine no prazo de 72 horas que a concessionária MetrôRio reduza a nova tarifa do transporte metroviário, que entrou em vigor na última terça-feira, e é considerada a mais cara do país. O aumento elevou a passagem de R$ 5 para R$ 5,80, representando um reajuste de 16%.

Ação foi ajuizada nesta sexta-feira (14) pela 5ª Promotoria de Tutela Coletiva e Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Capital, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ). Os promotores pedem que seja aplicado o percentual do índice inflacionário do IPCA, de 4,52%, praticando o valor máximo da tarifa de R$ 5,20.

O Ministério Público pede ainda que, após o pedido ser apreciado liminarmente e deferido, seja então confirmado pela Justiça em caráter definitivo, com a redução da tarifa conforme citado acima, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. Além disso, pede, também, que a ré seja condenada a indenizar, da forma mais ampla e completa possível, os danos materiais e morais de que tenham padecido os consumidores, individualmente considerados, e também considerados em sentido coletivo, no valor mínimo de R$ 1 milhão, que deverá ser revertido ao Fundo de Reconstituição de Bens Lesados, mencionado no art. 13 da Lei n° 7.347/85.

A ação teve origem em inquérito civil aberto para apurar suposta abusividade no reajuste tarifário, em princípio de 25%. Esse foi o índice homologado em fevereiro pela Agência Reguladora de Transportes Públicos do Estado do Rio de Janeiro (Agetransp) e deveria ter entrado em vigor em 2 de abril, autorizado uma passagem unitária de até R$ 6,30, mas o reajuste acabou adiado.

O Metrô Rio alegava perdas que ultrapassam R$ 600 milhões. Após quase dois meses de negociação, governo e concessionária acertaram o novo valor de R$ 5,80. Com o aumento autorizado pela Agetransp, o valor passou a ser o mais caro do Brasil, ultrapassando o Distrito Federal, detentor do título de passagem mais cara do Brasil com R$ 5,50, segundo o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

Os promotores argumentam “ser público e notório o momento de excepcionalidade vivido em razão da pandemia do coronavírus e os problemas sociais e financeiros por ela trazidos para a população, com grande elevação na taxa de desemprego e impacto na renda familiar das famílias em geral.”.

O órgão informou que chegou a expedir recomendação ao MetrôRio, com vistas à imediata reavaliação do reajuste aplicado na tarifa do transporte, mas as tentativas de resolução extrajudicial da questão não impediram a concessionária de aplicar o novo valor definido na semana passada, após concluída a negociação com o estado.

A concessionária foi procurada, mas ainda não respondeu.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários