O Exército de Libertação Nacional (ELN), maior guerrilha ativa da Colômbia, anunciou nesta segunda-feira (30) um cessar-fogo por causa da disseminação da Covid-19. Em comunicado, foi dito que a trégua será durante todo o mês de abril como um "gesto humanitário" e a intenção de contribuir para a contenção da contaminação. 

Exército de Libertação Nacional
Brasil de Fato/ Flickr
Exército de Libertação Nacional, maior guerrilha na ativa da Colômbia

Leia também: Coronavírus: Moro autoriza Força Nacional para atuar na segurança e no apoio

A guerrilha deixou claro que poderá agir para se defender durante o cessar-fogo caso sofra qualquer tipo de ataque. O pedido é de que "o governo se una com a delegação de diálogo da ELN para que uma trégua bilateral e temporal seja estabelecida". A ideia é facilitar uma reunião de representantes do governo com delegados da guerrilha que estão em Cuba desde 2018. No entanto, a posição do governo é de que só será feita uma negociação caso o ENL renuncie suas atividades criminosas e liberte todas as pessoas que mantém em cativeiro. 

A Colômbia já possui 798 pessoas infectadas e 12 mortos confirmados pela Covid-19. As informação são das autoridades sanitárias do país. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários