criança
Pixabay/FeeLona
Crianças com câncer são grupo de risco em pandemia de covid-19

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) adotou medidas para a diminuição do fluxo interno em suas unidades em tempos de covid-19.  Os profissionais que circulam por áreas onde há necessidade de protocolos de restrição, como nos centros-cirúrgicos, também trabalham com trajes adequados.

Por outro lado, instituições beneficentes de apoio, como  Instituto Ronald McDonald, que cuida de crianças e adolescentes com câncer, têm criado  campanhas online de financiamento coletivo diante das dificuldades em organizar eventos beneficentes presenciais neste momento.

Com o isolamento social , a maioria das organizações tiveram que cancelar eventos de arrecadação, bazares de produtos, visitas às organizações e não recebido as habituais doações. Os fatores têm resultado na queda de arrecadação e comprometem a capacidade de manutenção de serviços em atividade para tratamento e assistência das crianças e adolescentes com câncer.

Dessa forma, o Instituto Ronald McDonald lançou a campanha virtual para pedir o apoio de empresas e pessoas físicas.

A chance média de sobrevivência ao câncer na infância estimada pelo Inca é de 64%. Ainda segundo a entidade, esses pacientes precisam permanecer em isolamento , mas muitas vezes não podem interromper o tratamento .

A dona de casa Rosane Rebelo, de 29 anos, é de Teresópolis, Região Serrana, e acompanha a filha, de 3 anos, que faz tratamento contra uma leucemia . Segundo ela, o medo virou uma rotina. "Com o coronavírus, minha filha está com a imunidade muito baixa. Estou com medo. Já foi um susto descobrir que ela tem câncer e agora mais esse desafio", afirmou.

O Instituto Ronald McDonald, que no ano passado atendeu mais de 300 famílias no Rio de Janeiro,  fechou os espaços da convivência nos hospitais parceiros, aumentou as medidas de higienização e adotou o isolamento de todos os hóspedes.

Leia:  Brasil tem 201 mortes e 5.717 casos de covid-19 

Inca reforça cuidados e higiene

No site, o Inca informa que os pacientes internados com acompanhante não podem mais receber visita. Aqueles que não têm acompanhante poderão receber apenas uma visita por dia. Durante os atendimentos ambulatoriais, o paciente só poderá estar acompanhado de uma pessoa.

As consultas de controle dos ambulatórios com data até 16 de abril serão desmarcadas e reagendadas. As visitas a pacientes no CTI estão suspensas. Os exames de imagem do radiodiagnóstico, laboratoriais de rotina e os eletivos da endoscopia digestiva, colonoscopia e broncoscopia serão reagendados.

Necessidade de reforço nos estoques de sangue

Em meio à pandemia, o Inca reforça que os tratamentos oncológicos dependem de doações de sangue. Por isso, a coleta de sangue e plaquetas vai continuar sendo feita no Banco de Sangue do Instituto, através de agendamento.

A prioridade é que os horários sejam marcados para doadores que moram próximo à sede, na Praça da Cruz Vermelha, no Centro. A medida visa evitar o uso de transporte público e a exposição. A instituição precisa de cerca de 60 bolsas por dia. Agendamentos devem ser feitos pelos telefones (21) 3207-1021 ou (21) 3207-1580, das 8h às 15h.

"É seguro, não há risco de contaminação pela doação de sangue. Peço que as pessoas que possam doar agendem e venham", destaca Iara Motta, chefe do Serviço de Hemoterapia. Até o momento, o Inca não registrou casos confirmados de covid-19 entre os seus pacientes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários