Segundo governador, investimentos só serão realizados após leilão de privatização
Nelson Perez / GovRJ
Segundo governador, investimentos só serão realizados após leilão de privatização

A despoluição no Rio Guandu , usado pela Cedae para a captação de água, passa, segundo o governador Wilson Witzel , por investimentos que só serão viabilizados após o leilão de privatização da Cedae. Um estudo divulgado pela UFRJ alerta para o risco de excesso de esgoto no Guandu, uma "ameaça real à segurança hídrica da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Witzel afirmou que o estado precisa angariar recursos que não tem no momento para solucionar o problema.

"Evidentemente que a questão de Guandu não se resolve sem investimentos que virão com o leilão da Cedae. Faremos uma nova apresentação, com detalhamento do leilão, no mês que vem", afirmou.

O ambientalista Mário Moscatelli critica a histórica demora do estado para iniciar a despoluição.

Leia também: Witzel diz que pediu apuração rigorosa da qualidade da água da Cedae 

"Desde 2008, a pauta do Rio Guandu já está colocada. Na ocasião, o então presidente da Cedae, Wagner Victer, anunciou um projeto com essa finalidade, mas não levou adiante. O governador deveria agir de imediato, levando o problema ao governo federal e pedindo ajuda ao Ministério do Meio Ambiente ao Ministério da Saúde. A condição de insalubridade pode propiciar condições para a afloração de cianobactérias tóxicas, o que torna a questão urgente."

Procurado, Victer rebateu a declaração de Moscatelli, dizendo que o mencionado projeto de 2008, quando presidia a Cedae, abordava outro tema.

"Não era referente à despoluição do Guandu nem relativo ao problema operacional ocorrido agora. O projeto tratava de desvio dos rios Poços e Queimados, não alterava a poluição no Guandu. Esse projeto não foi levado adiante pelo impedimento de órgãos ambientais, tendo em vista que poderia gerar inundações na Baixada em dias de grandes chuvas", disse.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários