Tamanho do texto

Afirmações foram feitas dois dias após o ataque dos Estados Unidos contra uma base aérea síria; líderes defendem que bombardeio seja investigado

Presidente da Rússia, Vladimir Putin condenou o bombardeio feito pelos Estados Unidos
Presidência da Rússia
Presidente da Rússia, Vladimir Putin condenou o bombardeio feito pelos Estados Unidos

A Sala de Operações Conjuntas de Rússia e Irã e das Forças Aliadas na Síria disse neste domingo (9) que ambos os países estão prontos para responder a qualquer agressão. As afirmações foram feitas dois dias após o ataque dos Estados Unidos contra uma base aérea síria, informou o site do jornal governamental sírio Tishrin.

Leia também: Após críticas, EUA enviam porta-aviões para península norte-coreana

“Estamos preparados para responder a qualquer agressão ou transgressão das linhas vermelhas por parte de qualquer um. Os Estados Unidos conhecem bem nossas capacidades de resposta”, alertou o grupo composto por forças de Rússia , Irã e Síria em um comunicado publicado pelo jornal sírio.

Além disso, o comunicado também diz que “a agressão dos EUA na Síria ultrapassa e ataca a soberania do povo e do Estado [sírio]” e recorda que o país árabe está há seis anos lutando contra o terrorismo em nome do resto do mundo.

Em tratativas feitas por telefone na última quinta-feira (6), os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e do Irã, Hassan Rohani, voltaram a condenar o bombardeio feito pelos Estados Unidos. Os dois líderes também defenderam que o ataque com armas químicas ocorrido anteriormente no país, causando a morte de mais de 80 pessoas, seja investigado.

Leia também: Após atentados, Egito decreta estado de emergência de três meses

“Ambas as partes destacaram que são inaceitáveis as ações agressivas dos EUA contra um Estado soberano e contrárias aos princípios do direito internacional. Os líderes se pronunciaram em favor de uma investigação objetiva e imparcial do incidente com armas químicas em 4 de abril na província de Idlib”, disse um comunicado do Kremlin.

Putin e Rohani, principais aliados do regime sírio, enfatizaram a importância de manter uma cooperação estreita para impulsionar uma solução política para o conflito armado sírio. Segundo comunicado dos dois países e das milícias de oposição, a Sala de Operações Conjuntas assegurou que alguns países e organizações encararam o suposto ataque químico de terça-feira passada contra a cidade de Khan Sheikhoun como um pretexto para atacar a Síria.

Segundo a nota, a “agressão dos EUA não dissuadirá os aliados que lutam contra o terrorismo e o eliminam”. “Continuaremos lutando junto ao exército Árabe de Síria e trabalharemos com ele para liberar o território sírio da abominação do terrorismo”.

Leia também: Tensão na Noruega: Polícia de Oslo explode artefato "similar a uma bomba"

O presidente da Síria, Bashar al-Assad, considerou que, devido ao ataque repreendido por Rússia e Irã, os Estados Unidos fracassaram em seu objetivo de elevar a moral dos “terroristas” que apoiam na Síria com seu ataque contra a base aérea de Shayrat no país árabe. As declarações durante conversa telefônica com Rohani.