"Maconheiro mais famoso do Brasil", Marcelo D2 faz show irregular no SWU

Público vibra com canções da carreira solo, mas músicas do Planet Hemp quebram clima de apresentação

Tiago Agostini, enviado a Paulínia |

"Vou apertar, mas não vou acender agora", dizem os versos de "Malandragem Dá Um Tempo", de Bezerra da Silva, citada por Marcelo D2 durante seu show no SWU . Apesar de devoto, o público parecia não dar ouvidos ao ídolo: espalhados pela frente do palco, a quantidade de fãs acendendo baseados era enorme.

Acesse o especial SWU

Jorge Rosenberg
"Sou o maconheiro mais famoso do Brasil", falou em algum momento do show o cantor Marcelo D2
Não é de se espantar. D2 subiu ao palco fazendo um discurso louvando o Planet Hemp, sua banda dos anos 90 que chegou a ser presa por apologia ao uso de drogas. "Sou o maconheiro mais famoso do Brasil", falou em algum momento do show o cantor, que desde o começo de sua carreira apoia a descriminalização da maconha.

Curioso, porém, que justamente as músicas de sua antiga banda tenham sido as menos celebradas pelo público. Não é que ninguém curtisse, mas quando D2 enfileirou a dobradinha "Queimando Tudo" e "Mantenha o Respeito" a quantidade de pessoas cantando as letras era bem menor. A empolgação também diminuiu, quebrando o ritmo de um show até então empolgante. Por mais que tenha ganhado notoriedade com o Planet, D2 hoje parece falar com um público mais afeito à camisa polo.

A apresentação começou em alta rotação, com "Vai Vendo" e "A Maldição do Samba", ambos do segundo disco solo do músico, "À Procura da Batida Perfeita". O público cantava cada verso como se fosse um mantra. Antes de "A Arte do Barulho", D2 fez a plateia lotada repetir o gesto mais básico de um show de hip-hop, as mãos que balançam para cima e para baixo. O mar de mãos coordenadas formava um momento único.

Siga o iG Cultura no Twitter

Aí, pouco antes de tocar as músicas do Planet Hemp, D2 abriu espaço para um longo número de beat box - justamente quando citou Bezerra, a quem homenageou com o disco "Marcelo D2 Canta Bezerra da Silva". O momento foi o primeiro balde de água fria no público, que aparentava não ser muito afeito ao hip-hop. O medley teve até um momento farofa, com a citação do riff e refrão de "Sunday Bloody Sunday".

Perto do fim, D2 começou a chamar diversas participações especiais ao palco, de seu filho Stephan até o rapper Renato Venom. A melhor de todas, porém, foi quando Emicida subiu ao palco, para fazer um improviso durante "Qual É?", a derradeira música do show. Com sua competência habitual, Emicida fez um freestyle que salvou o fim apático de um show que se anunciava muito melhor no começo do que realmente foi.

    Leia tudo sobre: swumarcelo d2

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG