Projeto de resolução para condenar Síria alcança Assembleia Geral

Arábia Saudita circula novo texto na ONU, enquanto violência continua a arrasar o distrito de Homs, deixando mortos e feridos

iG São Paulo |

A Arábia Saudita circulou uma nova proposta de resolução sobre a Síria que condena a violência no país e demonstra seu "total apoio" ao plano da Liga Árabe - da mesma forma daquele vetado pela Rússia e China no Conselho de Segurança , e que espera votar na próxima semana durante a Assembleia Geral.

AP
Manifestantes contra o regime carregam o corpo de um homem, que teria sido morto por ataques das forças do governo em Homs (7/2/2012)

O projeto de resolução condena as violações "sistemáticas" de direitos humanos na Síria, exige que o regime de Bashar al-Assad detenha "de forma imediata" os ataques contra a população civil e pede aos grupos armados que se abstenham de recorrer à violência.

Leia também: Ofensiva de governo sírio aprofunda sofrimento em Homs

O texto, patrocinado pela Arábia Saudita, reivindica um "processo político sem exclusões" liderado pelos sírios, desenvolvido em um ambiente "livre de violência, intimidação e extremismo" e que permita ao povo sírio alcançar suas "legítimas aspirações".

Sem pedir expressamente a saída do poder de Assad, demonstra seu "total apoio" à proposta da Liga Árabe de "facilitar" uma transição política a partir de um diálogo "sério" entre o regime e "todo o espectro da oposição", a fim de criar um sistema "democrático e plural". Além disso, convida o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a designar um enviado especial ao país árabe que ajude a promover uma "solução pacífica" à crise síria.

A proposta de resolução, que convida todos os Estados-membros a apoiarem os esforços da Liga Árabe, exorta as autoridades sírias a "cooperar" com sua missão de observadores, além de permitir o acesso da ajuda humanitária e a presença da imprensa internacional em todo o país.

Armas à oposição: EUA analisam riscos de envolvimento maior em conflito na Síria

Fontes diplomáticas do Conselho detalharam que haverá uma reunião na manhã de segunda-feira na Assembleia Geral para discutir o caso da Síria.

 Na Assembleia Geral da ONU não existe o veto, mas suas resoluções não têm força legal, diferente daquelas tomadas pelo Conselho de Segurança.

Violência

Um residente da cidade sitiada de Homs pediu ao regime do presidente Bashar al-Assad que tenha misericórdia pelas vítimas inocentes. "Nós só queremos que Assad nos dê permissão para sair com os bebês feridos - eles são só bebês", disse o ativista Omar, segundo a rede americana CNN.

"Eles tem que deixar essa região para receber bom tratamento... Ele não nos deixa nem salvar e tratar nossos bebês."

Ao menos seis pessoas foram mortas neste sábado de manhã em Homs, segundo os Comitês de Coordenação Local da Síria, um grupo de oposição que organiza e registra os protestos.

Grupos da oposição afirmam que centenas morreram em Homs na última semana durante uma ofensiva do governo sírio para eliminar a oposição através de ataques indiscriminados. "Hoje é o sétimo dia que temos estado sob tiros - e bombardeios que não param", disse Omar. Ele afirmou que as forças do governo cercaram a área com centenas de soldados e dezenas de tanques - "não tanques normais. Tanques grandes. Tanques russos."

As tropas sírias vem tentando recuperar o controle de regiões de Homs desde o último sábado, quando começaram uma forte ofensiva contra os redutos rebeldes.

Ativistas de oposição dizem que o distrito de Baba Amr - centro de protestos contra o governo - foi atingido por morteiros neste sábado que deixaram ao menos 15 mortos, segundo ativistas dos Comitês de Coordenação Local. Outro grupo, o Observatório Sírio de Direitos Humanos informou que ao menos quatro morreram no ataque. Francoatiradores miram nos alvos a partir dos telhados das casas no distrito.

Neste sábado, a agência de notícias estatal da Síria registrou que homens armados assassinaram um general do Exército em Damasco na quarta-feira, no que configura a primeira morte de um militar de alto escalão na capital síria desde o início da revolta contra Assad, em março.

Segundo a SANA, três homens armados abriram fogo contra o general Issa al-Khouli na manhã enquanto ele saía de sua casa localizada no bairro de Rukn-Eddine, Damasco. Al-Khouli era médico e chefe de um hospital militar na capital. Ninguém reivindicou responsabilidade pelo assassinato.

O ataque indica que a violência na Síria atinge a capital, que tem estado relativamente tranquila em comparação com outras cidades. Tais assassinatos não são incomuns foram de Damasco e outros oficiais do Exército foram assassinados no passado, a maior parte deles nas províncias de Homs e Idlib.

A ONU estima que 5,4 mil foram mortos na Síria desde março, quando começou a revolta, inspirada em outros movimentos da Primavera Árabe. Mas esse número só vai até janeiro, quando a ONU parou de fazer sua contagem, pois o caos no país tornou impossível a confirmação desses dados.

O regime de Assad afirma que grupos terroristas em uma conspiração internacional para desestabilizar o país estão por trás da revolta, e não pessoas comuns buscando mudanças. O governo sírio registra que 2 mil soldados e policiais foram assassinados por terroristas desde março.

Com EFE, AP e BBC

    Leia tudo sobre: síriaprotestoonumundo áraberesoluçãorússiachinahoms

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG