Padrinhos de peso reforçam eleição em Belo Horizonte

Márcio Lacerda, atual prefeito do PSB, circula em todos os meios e deve ter PT e PSDB na mesma chapa para se reeleger

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Discreto, mas com invejável relacionamento no meio político. Amigo do ex-ministro de Turismo Walfrido dos Mares Guia (PSB) e do atual ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (PT). Amigo também do presidenciável e também ex-ministro Ciro Gomes, e de outros dois presidenciáveis: o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), e o senador Aécio Neves (PSDB) .

Wellington Pedro/Imprensa MG
O atual prefeito de MG, Márcio Lacerda (d), tem trânsito com petistas e tucanos
Padrinhos e articuladores não faltam na vida do atual prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB). Talvez, quando empunhou a bandeira contra o regime militar, ele não imaginasse que sua influência, décadas depois, se daria justamente com caciques do poder.

Lacerda administra uma das mais importantes cidades do Brasil. E pretende continuar no posto, aumentando seu círculo de influência política e pessoal. Seria desta vez no meio futebolístico? Afinal, a Copa do Mundo do Brasil terá Belo Horizonte como sede. Com obras adiantadas no estádio conhecido como Mineirão, o prefeito vem angariando popularidade e, como dizem, tem a faca e o queijo na mão: a chave do cofre da administração pública.

O prefeito de Belo Horizonte enfrenta uma turbulência de petistas inconformados com a participação de tucanos em sua chapa, mas conta com o apoio do presidente nacional do PT, Rui Falcão . Dizem, ainda, que o próprio ex-presidente Lula abençoa a união de petistas e tucanos. E por que não dizer o próprio ex-presidente Fernando Henrique Cardoso? Geralmente, quando Lula e FHC vão a Minas, o prefeito Lacerda os encontra, nem sempre em reuniões alardeadas para a imprensa. Como bom mineiro, Lacerda é discreto.

As forças políticas de Minas Gerais vêm se convergindo para um projeto presidencial com Aécio Neves na liderança. No governo Antonio Anastasia e na prefeitura da capital, tucanos e representantes do PSB de Eduardo Campos se misturam. Lacerda até reuniu em uma mesma pasta um tucano e um filiado ao PCdoB. Mas parte do PT, claro, certo de que pode travar uma dura batalha contra o neto de Tancredo , em 2014, reluta em associar-se ao prefeito que chegou ao posto com a força do tucano. E o prefeito, claro, afilhado político de Aécio, nega-se a isolar os tucanos .

Formalmente ou informalmente, o PT deve ir com Lacerda. Formalmente ou informalmente, o PT deve ir contra Lacerda . Os PTs são muitos. Em 2008, ainda que indicando o vice (como deve ocorrer neste ano), o PT virou PTs. Parte abriu o coração para o ex-lutador contra “o regime”, tal qual a presidenta Dilma Rousseff (PT). Outra parte nunca engoliu a história de ter o neto de Tancredo no palanque.

O que pode tirar as noites de sono do prefeito não são apenas os petistas preocupados com os treinamentos de voos de Aécio, como o ex-ministro de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Patrus Ananias . Mas vale lembrar que Patrus tem uma relação, como ele mesmo diz, cordial com Lacerda. O sonho de reeleger-se prefeito pode ser abalado por um verdadeiro pesadelo, que deu sinais de relativa força em 2008.

Amigo de ministros e ex-ministros, o prefeito da capital mineira enfrentou dois deputados federais há quatro anos, em seu primeiro e único teste nas urnas. Leonardo Quintão (PMDB) surgiu no cenário de disputa sem causar qualquer temor (pensavam). A também deputada federal Jô Morais (PCdoB) era o alvo mais árduo (pensavam) a ser combatido. O PCdoB, nesta guerra de 2012, declarou-se a favor do antigo adversário , Lacerda. Menos um obstáculo. Já levou, inclusive, uma secretaria, a de Esportes .

Acostumado a batalhas (já que lutou contra a ditadura e até foi preso), Lacerda enfrentou e venceu uma certa timidez. Venceu Quintão no segundo turno. Mas o próprio Quintão pode transformar-se em um novo pesadelo , já que manifestou intenção de disputar novamente. A medir pelas urnas, teve boa votação na capital em 2010. Elegeu-se com 141.737 votos (68.163 da capital), sendo o parlamentar mais bem votado em Belo Horizonte.

Outra peça que pode atrapalhar os sonhos de Lacerda é o deputado estadual Délio Malheiros (PV), também com expressiva votação na capital. Venceu em 2010, com 68.254 votos, sendo 39.560 votos da capital, terceiro mais votado na cidade. Malheiros aposta nas mídias sociais e no desempenho positivo da ex-ministra Marina Silva nas eleições de 2010. Marina ganhou no primeiro turno em Belo Horizonte (40%), o que indicaria um eleitorado, digamos, diferenciado. Dilma obteve 30% e Serra 27%. Com pouco tempo de televisão, a ex-ministra, e ex-PV, apostou na internet para angariar votos. Apesar de derrotada na disputa, é indiscutível que ampliou, e muito, seu calibre eleitoral. Aécio está atento .

Para atormentar os sonhos de Malheiros e Quintão, o prefeito da capital conta com um amplo leque de alianças. Cogita-se até 20 partidos. Isso irá garantir a ele um espaço, e grande, nas propagandas eleitorais gratuitas de rádio e de TV. Além disso, nunca é demais lembrar, tem a chave do cofre nas mãos. E muitos amigos caciques. E amigos de amigos.

    Leia tudo sobre: eleiçõesmgeleições2012

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG