Há dúvida sobre o real caráter oposicionista do PR e dos rebeldes do PMDB. Investigação sobre Casa da Moeda pode dar tom

No Senado, ameaças podem atrapalhar governo
Divulgação
No Senado, ameaças podem atrapalhar governo

Apesar da rebelião no PMDB que causou a troca na liderença do governo e a decisão do PR em sair da base aliada , a "nova oposição" no Senado ainda precisa passar por um teste importante: a assinatura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito contra o governo

As insatisfações da base aliada ao governo no Senado vão ser medidas pela adesão ou não a uma proposta de abertura de CPI sobre irregularidades na Casa da Moeda, órgão vinculado ao Ministério da Fazenda.

O PSDB estuda apresentar um requerimento de criação de CPI cujas investigações têm potencial para atingir o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Os tucanos, no entanto, duvidam que contarão com o apoio do PR e dos rebeldes do PMDB para a empreitada.

No fim de janeiro deste ano, o então presidente da Casa da Moeda, Luiz Fernando Denucci, foi demitido do cargo após a suspeita de haver cobrança de propina no órgão. Mantega teria sido avisado das irregularidades antes, mas só o demitiu após o caso chegar à imprensa.

Nesta quarta-feira, logo após anunciar que o PR do Senado saiu da base aliada, o presidente da legenda, senador Alfredo Nascimento (AM), questionou ao tucano Flexa Ribeiro (PA): “Onde é que eu assino (o requerimento para CPI)”.

O líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), afirmou que é preciso esperar a consolidação do PR como oposição para começar a coletar assinaturas. “Temos de aguardar. Muitas vezes ameaças nem sempre se confirmam”, afirmou o tucano.

Sem vocação para se opor

Composta por sete senadores, a bancada do PR no Senado anunciou que deixou a base governista. O líder do partido na Casa, Blairo Maggi (MT), afirmou: “Estamos na oposição neste momento. Essa é uma decisão da bancada”.

Maggi, porém ,disse que “quando o governo achar que nós somos importantes, é só nos chamar”. “Não vou fechar as portas”. Questionado especificamente se ele toparia assinar uma CPI contra Mantega, Maggi declarou. “Eu, pessoalmente, não (assinaria)”.

Líder do PR até o começo deste ano, o senador Magno Malta (ES), um dos congressistas mais críticos ao governo atualmente, admitiu: “O PR não tem vocação para oposição porque não sabe fazer oposição”.

Apesar das dúvidas sobre o nível oposicionista do PR, o novo líder do governo no Senado, Eduardo Braga (AM), foi chamado às pressas no Palácio do Planalto para explicar as últimas movimentações no Senado.  

 No começo da tarde, o PMDB reuniu-se e decidiu que lutará pela unidade do partido. Nos bastidores, porém, o grupo rebelde defende que o partido cobre de Braga as pendências existentes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.