Marina quer partido para atuar já em 2012

Ex-senadora vai participar, em São Paulo, de evento que pode definir quem ela irá apoiar nas candidaturas municipais

AE |

selo

A ex-senadora Marina Silva (sem partido) começa a consolidar aos poucos seu projeto político para as eleições municipais de 2012 e também para a disputa presidencial de 2014. No próximo dia 12, ela deverá participar em São Paulo do lançamento da base estadual do Movimento por uma Nova Política, que, embora tenha como objetivo declarado a discussão de novas formas de fazer política no século 21, poderá servir de base para definir o apoio de Marina às candidaturas municipais e, logo em seguida, para a criação de um novo partido.

O lançamento será feito durante um ato político e terá caráter suprapartidário, segundo os organizadores. A meta do grupo político ligado à senadora, que saiu das eleições presidenciais do ano passado com um cacife político respeitável, lastreado por quase 20 milhões de votos, é lançar mais sete comitês estaduais até o final de novembro. O próximo será no Ceará. Entre janeiro e fevereiro do próximo ano devem ser instalados outros dez.

"O objetivo do lançamento de uma base em São Paulo é congregar todas as forças políticas que buscam novas formas de fazer política", diz Maurício Brusadin, um dos principais articuladores do movimento no Estado.

Ex-presidente do diretório estadual do PV, partido do qual se desligou em junho, ao lado da ex-senadora, Brusadin também vê a iniciativa como uma boa oportunidade de debate das eleições municipais: "A discussão do programa Cidades Sustentáveis, que define metas municipais em áreas consideradas prioritárias, como educação, saúde e meio ambiente, também servirá para balizar o apoio do movimento a essa ou aquela candidatura municipal em 2012".

Desde que deixou o PV, Marina tem dito que apoiará candidatos municipais que se identifiquem e apoiem aquele programa. Os organizadores do evento em São Paulo devem convidar políticos de diferentes partidos, do PSOL ao PSDB. A lista inclui Walter Feldman (PSDB), secretário de Gilberto Kassab, Carlos Giannazi (PSOL), Luiza Erundina (PSB), Soninha Francine (PPS). Deputados estaduais e federais do PV também serão convidados.

Em várias partes do Brasil o grupo da ex-senadora vem procurando se aproximar de setores do PSOL. Formalmente, ela tem dito que o movimento não tem nenhum objetivo partidário nem eleitoral. Insiste que o objetivo é agregar forças para discutir novas formas de organização política no século 21.

Extraoficialmente, porém, parte dos integrantes do movimento veem nele o embrião de um futuro partido - sem o qual seria impossível conquistar espaços e influir no quadro político. Acham impossível, pelo menos por ora, qualquer mudança política que permita o lançamento de candidaturas avulsas, sem sigla partidária, como deseja Marina. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: marina silvapartidos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG