Kassab e Dilma avaliam que é cedo para integrar PSD à base aliada

Convite foi feito pelo líder do governo na Câmara. Integração só se dará no futuro. Por ora, PSD prega independência

Adriano Ceolin, iG Brasília |

Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma e Kassab em Brasília, no dia 18/08
Apesar da aproximação cada vez maior do PSD do governo, o prefeito de São Paulo e presidente da nova sigla, Gilberto Kassab, e a presidenta Dilma Rousseff consideraram precipitada uma integração automática do novo partido à base aliada no Congresso.

Nesta quinta-feira, o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), fez um convite para a nova sigla participar das reuniões junto com os demais partidos da base aliada no Congresso. Segundo o iG apurou, o gesto não contou com o aval do Palácio do Planalto.

O líder do PSD na Câmara, Guilherme Campos (SP), disse ao iG que consultou o prefeito sobre o convite. “Agradecemos, mas o prefeito ratificou a posição de independência do PSD nesse momento”, disse. “Mas deixamos uma porta aberta”, completou.

O PSD ganhou seu registro definitivo pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na última terça-feira. No dia seguinte, Kassab agradeceu Dilma por ter recebido apoiadores do partido antes mesmo da formalização pela Justiça Eleitoral.

O projeto de Kassab é se aproximar do governo Dilma. Contudo, quer fazer isso de forma gradativa. Como a maior parte dos integrantes do PSD deixou o oposicionista DEM, o prefeito tenta evitar perda de credibilidade com uma mudança tão brusca de posicionamento.

    Leia tudo sobre: Dilma RousseffPSDGilberto Kassabgoverno

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG