Justiça devolve 27 fazendas a Daniel Dantas

A Justiça Federal suspendeu o sequestro de todo o complexo agropecuário - 27 fazendas e 450 mil cabeças de gado - do banqueiro Daniel Dantas

AE |

A Justiça Federal suspendeu o sequestro de todo o complexo agropecuário - 27 fazendas e 450 mil cabeças de gado - do banqueiro Daniel Dantas. O patrimônio estava sob regime de arresto desde julho de 2009, no âmbito da Operação Satiagraha - investigação sobre supostos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que a Polícia Federal atribuía ao dono do Opportunity.

Leia também:
- Superior Tribunal de Justiça anula a Operação Satiagraha

- Sentença ordena perda de cargo do delegado Protógenes

AE
Daniel Dantas em foto tirada em junho de 2010

A Satiagraha foi declarada nula e, por consequência, todas as provas colhidas pela PF, em decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), tomada em maio de 2011. A devolução dos pastos e do rebanho do banqueiro foi ordenada pelo juiz Douglas Camarinha Gonzales, da 6.ª Vara Criminal Federal em São Paulo. "Decisão judicial não se discute, cumpre-se", assinalou Camarinha, em alusão à ordem do STJ.

A decisão de Camarinha foi baixada nos autos do sequestro das fazendas e dos semoventes, espalhados em quatro Estados: 23 no Pará, 2 em Mato Grosso, uma em Minas e uma em São Paulo. A defesa já havia requerido, no início da vigência do arresto, sua revogação.

"Tem-se, pois, como claro o caráter de acessoriedade desse feito ao seu principal (ação penal da Satiagraha) de forma que a sorte do acessório deverá seguir a do principal", destacou o magistrado. A sentença será enviada aos cartórios de registros de imóveis onde se situam as fazendas comunicando o desbloqueio.

"O sequestro de bens da Santa Bárbara sempre careceu de qualquer fundamento", assinala a advogada Dora Cavalcanti, que atuou na defesa da agropecuária. "Ninguém da empresa foi denunciado pelo Ministério Público, nenhum executivo. Nunca se apurou nada em relação à Santa Bárbara."

Dora observa que conseguiu, inicialmente, autorização para a Santa Bárbara comercializar o gado. "Isso evitou a quebra da empresa, que, no entanto, ficou submetida a todas as restrições."

Nota

Mais tarde, a assessoria de imprensa do banco Opportunity afirmou que a Operação Satiagraha está sustentada na "obtenção ilegal de provas e fraude processual". "O instrumento do Habeas Corpus só permite atingir um desses pilares", disse o banco, em nota. "A defesa do Opportunity pediu o trancamento pela obtenção ilegal das provas por meio de Habeas Corpus por ser mais rápido. O Habeas Corpus só é concedido se o absurdo jurídico for de tal magnitude que dispensa o exame de fatos. Esse instrumento ( Habeas Corpus ), contudo, não permite avançar para demonstrar, por exemplo, que as provas são fraudadas."

*Com informações da Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG