Pré-candidata à prefeitura da capital gaúcha, a deputada federal conversou com o iG sobre a participação feminina na política

Aos 30 anos e sem filhos, a deputada federal Manuela D’Ávila (PC do B-RS), pré-candidata à Prefeitura de Porto Alegre, vive um dilema recorrente entre mulheres que tentam conciliar a vida profissional e a maternidade. “Como vai ser quando eu tiver filho?”, pergunta. E, em seguida, responde: “Não sei como eu vou fazer”. Para a deputada, as dificuldades não são de gênero, mas sim impostas pela sociedade, em que os “ambientes institucionais ainda são masculinos”.

Leia também:
48 mulheres podem disputar comando de capitais no País em 2012

'Muitas mulheres dependem de sobrenome para se candidatar'

Enquanto em todo País a tendência é de aumento do número de candidatas nas capitais em 2012 , em Porto Alegre essa participação vai sofrer uma redução com relação às últimas eleições municipais, em 2008. Com a desistência da ministra Maria do Rosário (PT), da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres, e com o impedimento da ex-deputada Luciana Genro (PSOL), que não pode ser candidata por ser filha do governador gaúcho, Tarso Genro (PT), a única mulher que deverá concorrer à prefeitura da capital gaúcha será Manuela.

Leia abaixo os principais trechos da entrevista que a deputada Manuela D’Ávila concedeu ao iG em Porto Alegre, por telefone.

iG: Em 2012, a tendência é que o número de candidatas mulheres aumente no País. Em Porto Alegre, no entanto, esse número pode cair. O que poderia explicar isso?
Manuela D’Ávila
: Aqui em Porto Alegre a redução ( do número de candidatas mulheres à prefeitura ) é bem pontual. Em 2008, nós éramos quatro. No ano que vem, só eu. A coisa aqui é muito concreta, é mais factual. A Rosário ( ministra Maria do Rosário, do PT ) já disse que não será candidata. Eles ( o PT ) vão decidir entre dois deputados estaduais ( Raul Pont e Adão Villaverde ). E a ex-deputada federal Luciana Genro ( do PSOL ) não pode ser candidata porque o pai é o governador ( do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, do PT ). A participação das mulheres aqui é difícil, tanto é que nunca tivemos uma prefeita mulher em Porto Alegre.

Manuela diz se perguntar como vai conciliar a carreira política à vida familiar
AE
Manuela diz se perguntar como vai conciliar a carreira política à vida familiar

iG: Como você enxerga a participação feminina na política no Congresso?
Manuela D'Ávila
: No movimento social, no movimento estudantil, no movimento sindical, por exemplo, as mulheres já são maioria. O grande aumento de participação é no Executivo, por uma mudança de padrão que partiu da presidenta Dilma, que nomeou mulheres. Já no Legislativo, tivemos um aumento residual. Isso revela os limites, a real face para a mulher ocupar espaço de poder. Grandes partidos ainda têm dificuldade de indicar mulheres. Essa é a dificuldade de empoderamento da mulher.

iG: A falta de experiência política das mulheres é um empecilho?
Manuela D'Ávila
: Não acho que seja isso. Fora da política institucional, as mulheres e os homens têm a mesma experiência. Em um concurso, por exemplo, para trabalhar no Ministério Público, a maior parte dos aprovados é mulher. Num concurso, as pessoas aferem ( habilidades ) sob as mesmas condições. Na política institucional, temos menos mulheres ocupando menos espaço que homens. É uma deformação política. Na vida real, elas já ocupam espaço.

ainda não encontrei minha solução. Não crio filho? Com os homens é mais fácil. Para o homem isso talvez não seja uma dúvida colocada.

iG: Como as mulheres que já estão na política, como você, podem ajudar na diminuição dessa desigualdade?
Manuela D'Ávila
: A desigualdade se faz por pequenas coisas. Por exemplo, a dificuldade no mercado de trabalho. A mulher cuida de todo mundo: do filho, do marido, do vizinho. É ela quem mais marca consultas no Sistema Único de Saúde (SUS). Ela marca consulta para todo mundo. É ela que cuida. Onde ela vai deixar o filho, por exemplo, para ir trabalhar? O que dificulta é a vida real. A dificuldade é do cotidiano. Não é uma questão de gênero, é uma questão de sociedade. Para fazer política, não é do dia para noite. Primeiro, tu vira militante política, tem uma jornada dupla de trabalho. Imagina como é ter uma jornada uma tripla? Imagina como vai ser o dia que eu tiver filho?

iG: Como vai ser o dia em que você tiver um filho?
Manuela D'Ávila
: Não sei como vou fazer. Onde o filho poderia morar? Em Brasília ou Porto Alegre? Se eu fosse prefeita, seria mais fácil. Mas eu não sei. Não estou respondendo à sua pergunta porque eu ainda não encontrei minha solução. Não crio filho? Com os homens é mais fácil. Para o homem isso talvez não seja uma dúvida colocada. Isso não acontece só comigo, acontece com muitas mulheres. A sociedade e esses ambientes institucionais ainda são masculinos. Quantas mulheres no Congresso passam por isso?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.