Temer aciona Cade e PF para investigar aumento no preço da gasolina em postos

Em entrevista a rádio gaúcha, presidente diz que governo "não vai permitir" que reduções definidas pela Petrobras não seja repassadas aos consumidores e diz que está "examinando" um meio de compensar altas no gás de cozinha
Foto: Marcos Corrêa/PR - 26.1.18
Presidente Michel Temer disse que práticas de cobrança irregular na gasolina é 'agressão ao consumidor'

O presidente Michel Temer garantiu que o governo federal "não vai permitir" a cobrança de preços abusivos nos postos de gasolina do País . Em entrevista concedida nesta sexta-feira (9) à Rádio Guaíba , do Rio Grande do Sul, o emedebista disse que acionou o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e a Polícia Federal para investigar práticas irregulares na cobrança do combustível.

"O nosso governo recuperou a Petrobras. E lá decidiu-se fazer os aumentos ou reduções de acordo com os preços internacionais. Quando tem aumento, a bomba de gasolina registra esse aumento. Mas quando tem redução, não registra. Nós não vamos permitir isso. Vamos botar a Polícia Federal e o Cade atrás dessa fiscalização para impedir essa espécie de 'agressão ao consumidor'", afirmou o presidente Michel Temer .

O presidente também anunciou que está "examinando uma fórmula" de compensar o aumento no preço do gás de cozinha "para os mais pobres". Questionado para quando essa nova política deve ser implementada, Temer limitou-se a dizer que "para logo".

Também nesta manhã, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que vai iniciar conversas no governo sobre o preço do gás de cozinha, mas que ainda não há nenhuma decisão sobre o tema. “O que existe é uma preocupação com a variação grande do preço do gás de cozinha”, disse.

Cristiane Brasil e reforma

O emedebista voltou inda a defender a nomeação da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) para o cargo de ministra do Trabalho e a garantir que o governo "vai até o fim" na batalha jurídica pela posse da petebista. Filha do mensaleiro e presidente nacional o PTB, Cristiane foi nomeada ainda no início de janeiro, mas ainda  aguarda decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) para ser empossada.

"Eu posso até cometer um erro. Não é o caso, porque a deputada é muito competente, determinada, trabalhadora e presta bons serviços. Mas eu posso cometer um equívoco administrativo. Mas isso não é revisável, especialmente por um juiz de primeiro grau", disse Temer, acrescentando que acredita que a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, "logo decidirá essa questão".

Como tem sido regra em todas as entrevistas concedidas por integrantes do governo, o presidente Temer também reforçou a defesa da  proposta de reforma da Previdência e disse que "dá para apostar" na aprovação da PEC.

"Eu confio muito que o povo já está consciente de que é fundamental fazer essa reforma porque, em primeiro lugar, ela não atinge os mais pobres. E, como a Câmara e o Senado sempre ecoam a voz do povo, o povo estando a favor, nós conseguiremos aprovar. Dá para apostar duas fichas", disse Michel Temer.

Leia também: PRB alça Russomanno à liderança do partido e quer evitar que ele dispute governo

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-02-09/michel-temer-gasolina.html