Nome da filha de Roberto Jefferson entrou em pauta a partir de uma reunião nesta quarta-feira, entre o próprio pai, presidente do PTB, e Michel Temer

Nomeação da deputada Cristiane Brasil para ministra do Trabalho foi publicada no Diário Oficial da União
Reprodução/Facebook
Nomeação da deputada Cristiane Brasil para ministra do Trabalho foi publicada no Diário Oficial da União

A nomeação da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) para ministra do Trabalho foi publicada na edição desta quinta-feira (4) do Diário Oficial da União. A sua posse deve ocorrer na próxima semana.

O nome da nova ministra do Trabalho foi levantado, nesta quarta-feira (3), em uma reunião entre o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson (pai da parlamentar) e o presidente da República, Michel Temer , no Palácio do Jaburu.

De acordo com Jefferson, o nome de Cristiane Brasil "surgiu" durante a conversa e não foi uma indicação dele próprio. Ao fazer o anúncio, o pai da parlamentar chegou a chorar.

Segundo o próprio presidente do PTB, ele havia pensado na indicação de outros três deputados para a pasta. “Aí roda pra cá, roda pra lá. Então se falou: 'Roberto, e a Cristiane? Por que não?' Aí foi da cabeça do presidente: 'Ela é uma menina experimentada, foi secretária municipal em vários governos na cidade do Rio de Janeiro'. Eu falei: 'presidente, aí o senhor me surpreende, vou ter que consultar", afirmou.

Segundo ele, após a consulta e a aceitação, Cristiane Brasil concordou em não disputar as eleições deste ano. "Ela ficará ministra até o final [do governo de Temer]", afirmou. Roberto Jefferson disse ainda que o líder do partido na Câmara, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), também concordou com a nomeação e disse que a deputada tem a "confiança" da bancada.

Perfil de Cristiane

A deputada tem 44 anos e é advogada pela Universidade Católica de Petrópolis. Em 2014, se elegeu deputada federal pela primeira vez. Mas, antes disso, foi vereadora do Rio de Janeiro por três mandatos.

Leia também: Secretária de Radiodifusão é desligada do cargo no Ministério das Comunicações

Na Câmara, possui um posicionamento favorável ao governo Temer, votando a favor da proposta de emenda à Constituição (PEC) do teto dos gastos públicos, da reforma trabalhista e contra as denúncias que envolviam o presidente.

E na Justiça?

A futura ministra é filha do ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB e condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do mensalão – em março de 2016, ele obteve o perdão da pena. Porém, ela mesma não possui nenhum inquérito em tramitação no STF.

Em 2015, duas investigações foram abertas contra a deputada, na intenção de investigar supostos crimes eleitorais na eleição de 2014. Nenhum dos casos encontrou qualquer prova contra Cristiane e, por isso, ambos os inquéritos foram arquivados. 

A deputada, contudo, apareceu no ano passado nas delações feitas pela Odebrecht e pela J&F. Mesmo assim, não foi aberta qualquer investigação.

Leia também: Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços pede demissão do cargo

A futura ministra do Trabalho foi acusada de ser uma possível destinatária de parte da propina paga pela  Odebrecht , mas negou envolvimento no caso. Além disso, segundo Ricardo Saud, da J&F , Cristiane seria o canal no PTB, que teria levado R$ 20 milhões para aderir à campanha de Aécio Neves. Ela não comentou o caso.

    Leia tudo sobre:
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.