Substituir Mendes é descrito por Fux como uma tarefa "espinhosa"; nas eleições, porém, quem assume comando da Corte é Rosa Weber; entenda

O ministro Luiz Fux (foto) foi eleito hoje o substituto de Gilmar Mendes; ele assumirá o cargo após o dia 14 de fevereiro
STF / Divulgação
O ministro Luiz Fux (foto) foi eleito hoje o substituto de Gilmar Mendes; ele assumirá o cargo após o dia 14 de fevereiro

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi eleito nesta quinta-feira (7), o próximo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele assumirá o cargo no ano que vem, no lugar de Gilmar Mendes, que deixará o comando da Corte Eleitoral no dia 14 de fevereiro.

Leia também: Picciani, Melo e Albertassi são denunciados por esquema de corrupção na Alerj

A eleição, realizada na sessão ordinária do TSE de hoje, teve resultado de 6 a favor de Luiz Fux contra 1. O processo, porém, é uma formalidade, uma vez que, tradicionalmente, sempre é eleito para presidir a Corte Eleitoral o ministro do STF mais antigo no TSE que ainda não tenha ocupado a presidência.

Após ser eleito, Fux descreveu como “espinhosa” a tarefa de comandar o TSE e substituir Gilmar Mendes. “Para mim é um momento de muita emoção, porque eu sou juiz de carreira e Deus me permitiu cumprir todas as etapas da minha carreira, inclusive essa no Tribunal Superior Eleitoral”, disse.

Fux, no entanto, não ficará no cargo durante a eleição presidencial do ano que vem, pois seu mandato no TSE se encerra em agosto, portanto antes do pleito. A ministra Rosa Weber é a próxima na fila para assumir a presidência da Corte Eleitoral.

Leia também: PSOL e Rede protocolam pedido de cassação do mandato de deputado irmão de Geddel

De acordo com o Artigo 119 da Constituição, o TSE é composto por três ministros indicados pelo STF, dois ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e dois juristas de notório saber indicados pelo presidente da República. Os mandatos são de dois anos, renováveis.

Cadeira de Gilmar na Corte Eleitoral

Ao deixar o TSE em fevereiro, Gilmar Mendes será substituído por Luís Roberto Barroso. No fim do seu mandato no TSE em agosto, Luiz Fux será substituído pelo ministro do STF Edson Fachin.

Leia também: Edson Fachin determina o bloqueio de cerca de R$ 13 milhões e abre novo inquérito contra Geddel Vieira Lima

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.