Tamanho do texto

Job Brandão prestou depoimento na terça, explicando participação nos desvios dos irmãos Lúcio e Geddel; a defesa do ex-secretário parlamentar protocolou documento em que demonstra interesse na delação premiada

Deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) e ex-ministro Geddel teriam pedido destruição de provas para ex-assessor
Lúcio Bernardo Junior/ Câmara dos Deputados - 24.04.13
Deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) e ex-ministro Geddel teriam pedido destruição de provas para ex-assessor

O ex-assessor parlamentar Job Ribeiro Brandão , que trabalhava para o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão de Geddel, afirmou, em depoimento à Polícia Federal (PF), que os peemedebistas pediram para que ele destruísse documentos que poderiam servir para comprometê-los.  Brandão está em prisão domiciliar e tenta um acordo de delação premiada. As informações são da TV Globo.

Leia também: Raquel Dodge diz que Geddel Vieira Lima é 'lider de organização criminosa'

Job Brandão prestou depoimento à PF na última terça-feira (14), em que esclareceu sua participação nos desvios praticados por Lúcio e Geddel Vieira Lima. As declarações foram tomadas pelo delegado da operação Cui Bono?, Marlon Cajado, e pelo procurador do grupo da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República, Hebert Mesquita, na capital baiana, Salvador.

No depoimento, o ex-assessor contou que ajudou a destruir os documentos a pedido dos irmãos e da mãe deles, Marluce. De acordo com ele, as provas teriam sido picotadas e jogadas em um vaso sanitário.

Neste sábado (17), a defesa do ex-secretário parlamentar protocolou um documento no Supremo Tribunal Federal (STF) no qual demonstra interesse de assinar o acordo de delação. “Verifica-se com clareza solar que o requerente não pretende se furtar à aplicação da lei penal, ao contrário, manifestou, espontaneamente, o desejo de colaborar com as investigações”, diz o advogado de defesa Marcelo Ferreira de Souza.

Leia também: Fachin decide desmembrar investigações envolvendo Geddel Vieira Lima e seu irmão

O ex-assessor foi preso em setembro deste ano, na operação Cui Bono?, depois que a Polícia Federal que encontrou R$ 51 milhões em um apartamento, em Salvador , usado como cofre pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima. As digitais dele foram encontradas no material.

Anteriormente, ele já havia protocolado uma petição no Supremo em que se comprometia a devolver aos parlamentares a maior parte de seu salário de servidor público.

Leia também: PF encontra emblema da OAS em mala de dinheiro do ex-ministro Geddel Vieira Lima

Ao Jornal da Globo , a defesa de Geddel e Lúcio Vieira Lima disse que só irá se manifestar sobre as declarações de Job Brandão quando tiver acesso aos documentos formais do depoimento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.