Lula diz que "Dilma traiu seu eleitorado" e que pensou em concorrer no seu lugar

Em entrevista a jornal espanhol, Lula comentou sobre as eleições de 2018, afirmando que, caso seja eleito, irá revogar medidas aprovadas por Temer
Foto: Reprodução/Youtube
Lula comparou a baixa popularidade de Dilma em 2015 com a do ex-presidente Fernando Henrique em 1999

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em entrevista ao jornal espanhol El Mundo que a ex-presidente Dilma Rousseff “traiu seu eleitorado” ao anunciar um ajuste fiscal, em 2014, e ao realizar cortes nos gastos. Segundo o petista, esse foi o motivo pelo qual a presidente começou a perder a credibilidade.

Leia também: Após caravana pelo Nordeste, ex-presidente deve percorrer ao menos 14 cidades mineiras

Lula também considerou que houve um exagero nas políticas de exoneração de impostos para grandes empresas e que isso foi o “maior equívoco” do governo petista. “Quando Dilma tentou acabar com essa ajuda, o Senado não permitiu”, afirmou o ex-presidente.

O petista ainda comparou a baixa popularidade de Dilma em 2015 com a do ex-presidente Fernando Henrique, em 1999. Para ele, a diferença entre as duas situações é que, na época de FHC, o então presidente da Câmara Michel Temer o ajudou a governar. Já no caso da petista, “tínhamos Eduardo Cunha que se encarregou de rechaçar cada reforma que Dilma propunha. Foi [Cunha] quem levou adiante um impeachment ilegítimo. Tínhamos um inimigo na Casa”.  

Leia também: Datafolha: Eleitorado evangélico dá força a Bolsonaro e Marina, mas prefere petista

Em outro trecho da entrevista, o jornal espanhol pergunta se o ex-presidente se arrependeu de não ter se candidatado no lugar de Dilma, em 2014. De acordo com o petista, ele pensou muitas vezes em fazer isso, no entanto, ela "tinha direito de ser reeleita".

Eleições 2018

O ex-presidente, ao comentar sobre sua futura candidatura à Presidência e quais seriam as formas para recuperar o País, afirmou que o “Brasil tem que voltar a ser governado pensando na maioria”. O petista disse ainda que irá fazer um referendo para revogar as medidas aprovadas por Michel Temer, como a PEC dos gastos públicos. “É um crime ter uma lei que limita durante 20 anos a possibilidade de investimento do Estado”, defendeu. 

Leia também: Líder de intenção de votos, petista também deverá fazer campanha em São Paulo

“No Brasil faltam coisas básicas como saneamento, tratamento de água. Moradias. Temos um potencial de investimento em infraestrutura que pode resolver boa parte da geração de empregos e recuperar a economia”, explicou Lula ao jornal espanhol.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-10-23/lula.html