Tamanho do texto

Segundo jornal O Globo, contador indicado por advogado de Lula esteve no Hospital Sírio-Libanês para pedir assinaturas de Glaucos Costamarques, dono do imóvel em São Bernardo do Campo e que estava internado, em 2015

Primo de Bumlai, Glaucos Costamarques firmou contrato de aluguel com Marisa Letícia, ex-mulher de Lula
Reprodução/JFPR
Primo de Bumlai, Glaucos Costamarques firmou contrato de aluguel com Marisa Letícia, ex-mulher de Lula

Os recibos referentes ao pagamento do aluguel de apartamento usado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva , que foram  apresentados à Justiça nesta semana pela defesa do petista, foram todos assinados num único dia pelo proprietário do imóvel, o empresário Glaucos Costamarques. De acordo com reportagem do jornal O Globo , que divulgou a informação nesta quinta-feira (28), o primo do pecuarista José Carlos Bumlai estava internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, quando foi instado a assinar de uma vez só todos os documentos referentes aos aluguéis dos meses de 2015.

Segundo o jornal, o episódio ocorreu em novembro daquele ano, quando o contador João Muniz Leite teria levado os recibos para Glaucos a mando do advogado Roberto Teixeira, amigo pessoal de Lula . Teixeira, Costamarques e o ex-presidente são réus na mesma ação da Lava Jato que investiga se a aquisição do apartamento em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, teria sido uma contrapartida da Odebrecht ao petista em razão de contratos e decisões favoráveis à empresa durante o governo Lula.

Os advogados de Glaucos afirmaram ao jornal que estudam levar essa informação ao conhecimento do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba. O intuito do empresário é mostrar ao magistrado que os documentos foram confeccionados pela defesa de Lula, contrariando as alegações dos advogados do petista.

Em nota divulgada nesta semana, o advogado que representa o ex-presidente, Cristiano Zanin Martins, afirmou que há "tentativa de transformar os recibos no foco principal da ação" uma vez que "nem o Ministério Público nem o juízo encontraram qualquer materialidade para sustentar as descabidas acusações formuladas contra Lula em relação aos contratos da Petrobras".

No site oficial do ex-presidente, a nota da defesa está intitulada como "Quem emite recibo é quem recebeu: o proprietário", afirmação contrariada pelas novas informações reveladas hoje pelo O Globo .

Datas inexistentes

As explicações prestadas pela defesa do ex-presidente se deram devido a outra polêmica levantada após a entrega dos recibos. Dois deles contêm datas inexistentes no calendário .

Além do contrato de locação firmado entre a ex-primeira-dama Marisa Letícia e Glaucos da Costamarques, foram apresentados recibos de aluguéis pagos entre agosto de 2011 (seis meses após a assinatura do contrato) e dezembro de 2015. Os valores escalam de R$ 3.500 a R$ 4.300 no período. 

Os demonstrativos que apresentaram incongruências se referem aos meses de junho de 2014 e novembro de 2015. No segundo caso, o recibo apresenta a inscrição: "Recebi da Sra. Marisa Leticia Lula da Silva a quantia de R$ 4.300,00, em moeda corrente, referente ao aluguel do imóvel situado na avenida Francisco Prestes Maia n. 1501-ap 121- Residencial Hill House- São Bernardo do Campo-SP, vencido no dia 31 de novembro de 2015, do qual dou plena, total e irrevogável quitação." 

A referida data de vencimento, no entanto, não existe: o mês de novembro só possui 30 dias. O problema é o mesmo verificado no caso de junho de 2014 (o mês de junho também só vai até o dia 30 e o recibo indica vencimento no dia 31 de junho).

Leia também: Palocci revela "fraqueza de caráter" e está "moralmente fora do PT", diz partido

    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.