Dono do grupo J&F deixou a Superintendência da Polícia Federal em Brasília e foi a São Paulo, onde deve prestar um depoimento ainda nesta sexta-feira

Joesley Batista tem uma audiência de custódia nesta sexta-feira, em São Paulo. Ele está preso em Brasília desde domingo
Rovena Rosa/Agência Brasil - 9.8.2017
Joesley Batista tem uma audiência de custódia nesta sexta-feira, em São Paulo. Ele está preso em Brasília desde domingo

O empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, foi transferido, na manhã desta sexta-feira (15), de Brasília para São Paulo em um avião da Polícia Federal (PF). 

Leia também: Joesley Batista perde imunidade e será denunciado ao STF junto de Michel Temer

De acordo com o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kaykay, que trabalha na defesa de Joesley Batista , tal transferência não foi feita a pedido da defesa do empresário, mas a pedido da própria PF.

A aeronave que levou o empresário para São Paulo decolou por volta das 9h do aeroporto de Brasília e pousou na capital paulista perto das 11h. De acordo com PF, Joesley foi para São Paulo para prestar um depoimento e deve retornar ainda nesta sexta para a capital federal.

Os policiais, no entanto, não souberam informar se o motivo do deslocamento seria uma oitiva na superintendência da capital paulista ou uma audiência de custódia, que seria feita na Justiça Federal.

Leia também: Polícia Federal prende Wesley Batista, irmão de Joesley, em SP

Como o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin , transformou a prisão temporária de Joesley e Ricardo Saud em preventiva, o mais provável, segundo a PF, é que o empresário participe de uma audiência de custódia.

Joesley está preso desde o último domingo (10) por ordem de Fachin. O magistrado acolheu um pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que solicitou a prisão com o argumento de que o empresário, que é delator da Lava Jato, omitiu do Ministério Público informações importantes em seus depoimentos.

Delação premiada

O advogado de Joesley e Saud, Kakay, disse que orientou os dois a ficarem calados em razão da possibilidade de o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, rescindir o acordo de delação premiada firmado com o empresário, o que acabou se confirmando depois.

Janot rescindiu o acordo de delação premiada que dava imunidade para os dois em troca de informações e incluiu Joesley Batista e Ricardo Saud na denúncia apresentada no final da tarde contra o presidente Michel Temer pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa.

Leia também: Joesley e Saud ficam calados em interrogatório sobre gravação que cita o STF

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.