Tamanho do texto

O deputado do Solidariedade apareceu em evento no Pará, neste sábado (29), com a tatuagem definitiva no ombro e justificou: "não sou hipócrita"

O deputado apareceu em evento de entrega de caminhões coletores de lixo com uma nova e polêmica tatuagem
Reprodução/Facebook Wladimir Costa
O deputado apareceu em evento de entrega de caminhões coletores de lixo com uma nova e polêmica tatuagem

O deputado federal Wladimir Costa (SD-PA) voltou a causar polêmica neste fim de semana depois de aparecer em evento, exibindo uma tatuagem com o nome do presidente Michel Temer no ombro. De acordo com ele, a homenagem ao peemedebista é definitiva e lhe custou nada menos que R$ 1,2 mil.

Leia também: Fim do recesso parlamentar dá início a semana decisiva para governo Temer

Como é de se imaginar, a imagem do deputado circula nas redes sociais e muita gente criticou a decisão de fazer uma tatuagem com o nome do presidente (nada popular). Em resposta, Wladimir Costa escreveu em seu Facebook: “podem falar o que quiserem, não me ofendo, mas eu só digo uma coisa: EU NÃO SOU HIPÓCRITA”, justificando-se.

As fotos foram tiradas durante uma cerimônia de entrega de 20 caminhões coletores de lixo na cidade de Salinas, no Pará, realizada no último sábado (29). Costa apareceu com uma bermuda jeans e uma regata amarela, permanecendo descalço em boa parte do evento.

Repercussão na web

Nas redes sociais, muitas pessoas saíram em defesa do político, afirmando que “pelo menos, ele é sincero”. A página de direita “Reflexo Político Brasil”, por exemplo, destacou a resposta que Wladimir Costa teria dado a um repórter, no local, sobre a tatuagem de Temer com uma bandeira do Brasil estampada em seu corpo.

O deputado apareceu em evento de entrega de caminhões coletores de lixo com uma nova e polêmica tatuagem
Reprodução/Facebook Wladimir Costa
O deputado apareceu em evento de entrega de caminhões coletores de lixo com uma nova e polêmica tatuagem

“Não possuo eleitores, eu, Wlad, possui seguidores, amigos fiéis e verdadeiros, os que me elegem sabem que sou assim, todos sabem que, se por ventura a bala vier na direção do amigo, me jogo na frente! Outros Deputados comentam até mesmo comigo que são amigos do Temer, gostam dele e o admiram também, mas não podem se expor porque ele só está com 5% de aprovação. Acho isso muita hipocrisia, pois sou exatamente ao contrário, amigo meu pode está com zero na pesquisa, mas morro agarrado, PARCEIRO É PARCEIRO, FDP É FDP”, disse.

Leia também: Antes de votação de denúncia, Temer vai ao Rio para tratar da segurança pública

“Cada um com os seus gostos e paixões, o nome do Temer é um trilhão de vezes melhor do que as imagens daqueles vagabundos falsos socialistas como: Che Guevara, Fidel Castro, Marighella, Lula, Dilma e outros monstros comunistas que só fazem a capa de democráticos’”, completou.

Polêmicas

Além da tatuagem, Wladimir Costa defende Temer com discursos ferrenhos na Câmara. Ele chegou a ofender um colega, o relator da denúncia contra o presidente na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Sergio Zveiter (SD-PA), chamando-o de "burro" e "incompetente" e classificou o parecer dele como "sofrido".  

Outro ponto na carreira política de Costa que merece destaque é que, em julho do ano passado, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Pará chegou a determinar, por decisão unânime, a cassação de seu mandato.  O parlamentar foi condenado por uso de caixa 2 e por ter omitido o gasto de R$ 410 mil na prestação de contas de sua campanha eleitoral em 2014. 

Wladimir Costa também é lembrado por ser “o deputado das confetes ”, já que na sessão de aprovação da abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, ele chamou a atenção por fazer discurso contra a corrupção e declarar seu voto favorável à saída da petista. Na ocasião, lançou confetes no plenário.

Em seu quarto mandato na Câmara, o deputado também é alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal (STF), desde 2010, por supostamente abrigar funcionários fantasma em seu gabinete.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.