Segundo ele, aqueles que estão abaixo dos 50 anos "vão ter que entender que [a aposentadoria] vai ser assim", conforme proposto pelo governo federal

Presidente da Câmara enfatizou que, se a reforma não for aprovada agora, o Brasil corre riscos de transição brusca
Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados - 6.10.16
Presidente da Câmara enfatizou que, se a reforma não for aprovada agora, o Brasil corre riscos de transição brusca

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (20) que a proposta de reforma da Previdência, enviada ao Congresso pelo governo federal, manterá os eixos principais, apesar das alterações que devem ser feitas pelos parlamentares.

Leia também: Acusado de corrupção, Rodrigo Maia diz que denúncias são "fora da realidade"

“[A proposta] não será desfigurada. Eu estou muito confiante, tenho certeza de que o relator e o presidente da comissão vêm fazendo um bom trabalho”, enfatizou, após participar da cerimônia de posse do conselho de administração da Câmara Americana de Comércio.

Segundo Maia, os grupos que têm sistemas próprios de previdência e devem ser incorporados ao regime geral estão entre os principais opositores da reforma. “Você está fazendo uma reforma em que todos, a partir da sua aprovação, vão fazer parte de um mesmo sistema. Então, aqueles que têm um sistema diferenciado hoje, que recebem aposentadoria integral, têm trabalhado contra a reforma”, afirmou.

A votação da regulamentação da terceirização, prevista para ocorrer até a próxima quarta-feira (22), e da reforma trabalhista, em abril, vai, na avaliação do presidente da Casa, abrir espaço para a reforma da Previdência. “A gente vai gerando um ambiente favorável às reformas na certeza de que elas vão melhorar muito as condições econômicas no País”, frisou.

Leia também: Juízes se revoltam após Maia dizer que Justiça do Trabalho "não deveria existir"

O governo está, segundo Maia, preparado para enfrentar o debate sobre o tema. “A gente não tem problema em enfrentar o debate porque a proposta é boa. Ela não tira o direito de quem já está aposentado, nem de quem já tem direito à aposentadoria. Faz uma transição acima de 50 anos. E aqueles que estão abaixo vão ter que entender que vai ser assim”, explicou.

Rodrigo Maia enfatizou, ainda, que, se a proposta não for aprovada agora, o Brasil corre o risco de ter que fazer a transição de uma forma brusca no futuro. “É a última oportunidade para o Brasil de fazer uma reforma que não vai tirar benefício de ninguém à vista. Diferente de Portugal e da Grécia, onde se cortou salários e aposentadorias”, destacou.

Reforma eleitoral

O presidente da Câmara defendeu, também, que o sistema eleitoral sofra mudanças antes das próximas eleições, em 2018. “Qualquer modelo dos que existem, não uma nova invenção brasileira, qualquer desses que têm dado certo há anos nos Estados Unidos e na Europa, precisa ser testado no Brasil. O Brasil não pode entrar na próxima eleição com esse sistema eleitoral do jeito que está”, finalizou.

Leia também: Maia quer aprovar reforma na Previdência sem mexer na proposta do governo

* Com informações da Agência Brasil.