Lula pede apuração de procurador por abuso de poder de delegado da Lava Jato

Em entrevista dada em 27 de janeiro, o Delegado Federal Igor Romário de Paula afirmou que “timing para prender Lula pode surgir em 30 ou 60 dias”
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 29.8.2016
Advogados de defesa de Lula afirmam que comportamento abusivo de delegado vai contra a ética da Polícia Federal

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou com um pedido para que procurador-geral da República apure abuso de poder cometido pelo Delegado Federal Igor Romário de Paula, segundo divulgou a equipe de advogados do petista nesta segunda-feira (13). Em entrevista concedida em 27 de janeiro, o delegado disse que o “timing para prender Lula pode surgir em 30 ou 60 dias”.

LEIA MAIS: Em defesa de Lula, FHC presta depoimento a Sérgio Moro sobre acervo presidencial

Em nota, os advogados afirmam que Lula teve seus direitos constitucionais feridos pelo delegado, o que é inaceitável. Além disso, alegam que esse tipo de comportamento vai contra a ética e as responsabilidades institucionais da Polícia Federal.

Outro ponto abordado foi a "falta de consideração e o desrespeito do delegado" quanto ao estado de saúde da ex-primeira-dama Marisa Letícia. Ela havia sido internada há poucos dias na ocasião da entrevista, e estava em coma como consequência de seu AVC. De acordo com a defesa, esse foi só mais um dos abusos que o ex-presidente e sua família sofreram ao longo da Operação Lava Jato.

LEIA MAIS: FHC visita Lula em hospital e foto comove internautas nas redes sociais

Por último, a defesa relembrou que, em 2014, o delegado em questão fez campanha para o então candidato à presidência, Aécio Neves (PSDB-MG), fato que por si só explicita seu posicionamento partidário contrário ao petista.

Operação Lava Jato 

Desde a última quinta-feira (9) o juiz Sérgio Moro está ouvindo testemunhas da defesa do ex-presidente em processo da operação que investiga o triplex no Guarujá. Na segunda-feira (13), foram ouvidos o secretário do Desenvolvimento Econômico da Bahia, Jaques Wagner (PT-BA), e o ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli. Além de Lula, outras seis pessoas são investigadas dentro dessa ação, entre elas Dona Marisa Letícia, que faleceu em 3 de fevereiro por causa do AVC que sofreu.

LEIA MAIS: "Vou defender sua honra", promete Lula em velório da ex-primeira-dama

Fernando Henrique Cardoso deu seu depoimento na quinta-feira (9) em outro processo, que investigava a arrecadação de fundos para a administração e transporte do acervo presidencial de Lula ao final de seu mandato, em 2010. O peesedebista declarou que não houve arrecadação ilegal e que é normal recorrer a grandes empresas em busca de colaboradores.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-02-14/lula.html