Relator pede mais prazo para incluir novos elementos em denúncia contra Cunha

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Marcos Rogério deveria ler parecer sobre processo que busca cassar mandato do peemedebista ainda nesta terça-feira (16); ação já se arrasta há quatro meses no Conselho de Ética

O advogado de Eduardo Cunha, Marcelo Nobre, conversa com o presidente do Conselho de Ética
Alex Ferreira / Câmara dos Deputados - 16.02.2016
O advogado de Eduardo Cunha, Marcelo Nobre, conversa com o presidente do Conselho de Ética

Relator do processo que pede a cassação do mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na Câmara dos Deputados, Marcos Rogério (PDT-RO) pediu a extensão do prazo para apresentar a denúncia contra o parlamentar, nesta terça-feira (16), no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa.

Assim, a primeira sessão de 2016 do processo que já se arrasta há quatro meses, segundo o qual Cunha teria mentido na CPI da Petrobras sobre a manutenção de contas no exterior, manteve a ação travada. Ainda não está claro se os integrantes da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar votarão a favor ou contra a continuidade do processo.

Presidente do Conselho de Ética da Câmara, José Carlos Araújo (PSD-BA) justificou a decisão de Rogério de adiar a leitura do relatório por 24 horas sob a alegação de que o tempo é necessário para a análise de novas petições enviadas a ele pelo PSOL a respeito de Cunha.

O partido pede para que sejam inclusos no relatório depoimentos de delação premiada de empreiteiros investigados na Operação Lava Jato. Entre eles estão inclusos o de Júlio Camargo, que afirmou ter pago US$ 5 milhões em propina a Cunha na intermediação de um negócio de compras de navios-sonda pela Petrobras. O deputado nega as acusações. 

Ao mesmo tempo, o advogado do peemedebista no Conselho, Marcelo Nobre, entrou com mandado de segurança no Supremo para pedir mais tempo para apresentar a defesa de seu cliente. Segundo ele, as informações passadas pelo PSOL ao relator não podem se constituir provas, já que foram baseadas somente em reportagens jornalísticas. 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas