Rejeitado nas urnas, tucano promete arrancar cabeça de Dilma à "foice e martelo"

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Advogado foi candidato pelo PSDB em 2014 e ganhou notoriedade após propor a criação do “kit macho” e do “kit fêmea”, para defender crianças da 'influência homossexual'

O advogado Matheus Sathler Garcia diz que o País vive uma ditadura cubana e pede Dilma Rousseff
Reprodução Facebook
O advogado Matheus Sathler Garcia diz que o País vive uma ditadura cubana e pede Dilma Rousseff "renuncie, fuja do Brasil ou se suicide"

Rejeitado nas urnas nas eleições passadas, quando era candidato a deputado federal pelo PSDB de Brasília, o advogado Matheus Sathler Garcia volta a protagonizar uma nova polêmica nas redes sociais após divulgar um vídeo no qual ameaça “arrancar a cabeça” da presidente Dilma Rousseff (PT) “com a foice e o martelo” no próximo dia 7 de setembro.

Em 2014, o advogado ganhou notoriedade – e uma representação na Justiça feita pela Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal – após aparecer em um vídeo defendendo a criação do “kit macho” e do “kit fêmea”, para defender crianças da 'influência homossexual'. 

No vídeo publicado no Youtube, na terça-feira (25),  Sathler começa sua fala afirmando que dá um “recado claro à presidanta Dilma Rousseff” e faz uma incitação: “no dia 7 de Setembro a gente não vai pacificamente para as ruas. Vamos, juntamente com a as forças armadas populares do Brasil, te tirar do poder. Com a foice e o martelo nós vamos arrancar a sua cabeça. Aqui não é ameaça, nem aviso. Porque quando o povo agir já vai ter mais volta. Renuncie, fuja do Brasil ou se suicide”.

Além das ameaças, o advogado relata fatos e palavras de ordem das manifestações nas ruas, citando o foro São Paulo, dizendo que o País vive uma ditadura cubana e que a presidente é terrorista. Por fim ele pede: “Que Deus traga paz a nossa nação”.

A Ordem dos Advogados do Brasil - Distrito Federal (OAB-DF) informou que há dois processos disciplinares contra Sathler Garcia, mas por correrem em segredo de Justiça, não pode detalhar o teor. Um deles foi movido pela Comissão Especial da Diversidade Sexual da entidade contra a propaganda do "kit macho", na qual o advogado se identificava como "o candidato do kit macho", com "cartilhas que ensinarão aos meninos a gostar somente de mulher".

Procurado pelo iG, Sathler Garcia informou que não tinha nada a declarar. 

Leia tudo sobre: Dilma Rousseffcabeçafoice e marteloMatheus SathlerPSDB

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas