Perspectiva de perder poder alimenta embate entre Renan e o governo

Por Luciana Lima , iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em meio à expectativa da divulgação da lista de investigados na Lava Jato, presidente do Senado tenta manter influência em indicações no primeiro e no segundo escalão do governo

A perspectiva de perder poder junto ao governo, combinada ao risco de ser citado na lista de investigados da Operação Lava Jato, teria motivado o presidente do Congresso, Renan Calheiros, a romper o relacionamento bastante próximo que manteve com o governo durante todo primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff. 

Calheiros no Senado Federal: ele passou a adotar postura antagônica diante da crise de corrupção
PMDB/Divulgação
Calheiros no Senado Federal: ele passou a adotar postura antagônica diante da crise de corrupção

Em meio à movimentação para recompor as conversas com o PMDB, principal partido aliado, Dilma tratou de avisar que nenhum pleito do PMDB por cargos seria atendido antes de conhecer os nomes que serão alvo de investigação no inquérito pedido pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Leia mais:
Lava Jato paira sobre Eduardo Cunha e mais 16 membros do novo Congresso

Caso o nome de Renan esteja na lista, além de não recuperar o controle de postos perdidos, como a diretoria da Transpetro, por exemplo, o senador corre o risco de não emplacar nenhum outro apadrinhado em postos do governo e ainda perder indicações no primeiro escalão, como o ministro do Turismo, Vinícius Lages.

De principal facilitador do diálogo do Planalto com o PMDB, Renan adotou uma postura antagônica nas últimas semanas, a ponto de recusar o convite para jantar no Palácio da Alvorada, na segunda-feira (2), com Dilma e a cúpula de seu partido e divulgar nota marcando sua posição mais independente.

Na semana passada, Renan bateu em Dilma ao classificar como “escorregadão” as desastradas declarações do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, sobre o equilíbrio das contas públicas.

Na segunda-feira, antes de divulgar a nota que pegou vários peemedebistas de surpresa, Renan avisou sobre sua decisão a duas pessoas: ao vice-presidente Michel Temer e ao ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga.

De acordo com interlocutores do governo, Temer teria se limitado a perguntar se era a decisão definitiva de Renan, que respondeu de forma afirmativa. Coube ao vice-presidente o papel de minimizar a saia justa durante o jantar e em conversa com jornalistas.

Nona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grandes quantidades de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantia de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalSuspeito de ligação com Alberto Yousseff, Adarico Negromonte é preso pela PF, em novembro.. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressO advogado da Queiroz Galvão, José Luiz de Oliveira Neto, em entrevista em novembro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressRoberto Brzezinski Neto, representante do escritório que defende Renato Duque na Operação Lava Jato, em janeiro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantidade de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalInvestigações da Operação Lava Jato . Foto: Fotos PúblicasGraça Foster e cinco diretores renunciam ao cargo na Petrobras
. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasLilian Pinheiro visita o pai, Leo Pinheiro (presidente da OAS), em carceragem da PF, em janeiro. Foto: Futura PressAmigos e familiares do lobista Fernando Baiano o visitam em carceragem da PF em Curitiba (PR), em 21 de janeiro. Foto: Futura PressProcurador Deltan Dallagnol explica como era feita esquema de propina na Petrobras, em coletiva realiazada em Curitiba (PR), no dia 11 de dezembro. Foto: Futura PressSede do Ministério Público Federal, que investiga os desvios na Petrobras. Foto: Futura PressViatura da Receita Federal deixa prédio da construtora Camargo Correia durante operação Lava Jato, em 14 de novembro. Foto: Futura PressMalotes com documentos de detidos na Operação Lava Jato apreendidos pela PF em 14 de novembro . Foto: Futura PressPresidente da construtora UTC, Ricardo Pessoa, é preso pela PF em 14 de novembro de 2014. Foto: Futura PressPolícia Federal vasculha sede da OAS, uma das envolvidas em esquemas de propinas da Lava Jato, em novembro de 2014. Foto: Futura PressFuncionário manuseia obras de artistas brasileiros apreendidas pela PF na Operação Lava Jato, em 16 de maio. Foto: Futura PressPF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência Senado

Perdas
Entre as perdas computadas por Renan após a divulgação de partes das investigações está o controle da Transpetro. Apadrinhado por Renan, Sergio Machado foi nomeado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2003. No entanto, precisou se afastar do cargo, no final do ano passado, após ter sido mencionado pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa como um dos beneficiados pelo esquema de propina na estatal.

Durante a reforma ministerial feita por Dilma no início do ano, Renan reivindicou o direito de indicar outro presidente para a subsidiária da Petrobras responsável pelo transporte do petróleo e seus derivados, considerada no meio político melhor do que muitas pastas do primeiro escalão do governo. No entanto, recebeu a negativa do Planalto.

Leia também:
Renan recusa convite de Dilma para jantar
Aécio diz que Senado virou “puxadinho do Planalto”
Renan promete apoiar reforma política e agenda econômica

Além de perder a Transpetro, Renan ainda experimenta a perspectiva de se ver sem outra pasta sob sua influência: o Ministério do Turismo. A retomada do diálogo do governo com o PMDB inclui satisfazer o atual presidente da Câmara, Eduardo Cunha, com indicações no governo de Dilma. Um dos alvos do deputado é a pasta que pretende entregar a seu principal aliado no PMDB, o ex-presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que ficou sem mandato após sair derrotado da eleição para o governo de seu Estado.

Cunha foi o único peemedebista da cúpula do partido a não receber seu espaço na reforma ministerial feita pela presidente Dilma. Enquanto a chefe do Podr Executivo cuidava de montar sua nova equipe, o presidente da Câmara cuidava de sua campanha para derrotar o petista Arlindo Chinaglia (SP), disputa que acabou comprometendo a relação na base de Dilma na Câmara. Na retomada do diálogo, o PMDB coloca suas indicações como condição. 

Além das indicações de Cunha, o PMDB exigiu a presença de Temer no chamado núcleo duro do governo, compromisso já firmado por Dilma, que conversou por telefone com Temer na semana passada e selou o acordo no jantar de segunda-feira.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas