PF admite erro e diz que não há nada contra atual diretor da Petrobras

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo a Polícia Federal, não há indícios de participação do executivo no esquema da organização criminosa

A Polícia Federal admitiu nesta quarta-feira (19) que o atual diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras, José Carlos Cosenza, foi citado por "erro" nos depoimentos do esquema de corrupção na Petrobras. 

Operador do PMDB saiu do Brasil duas vezes após denúncias de Paulo Roberto Costa

Executivos assinaram contratos falsos e tinham ligação com Youssef, diz MPF

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, determinou que a Polícia Federal mostrasse provas do envolvimento do dirigente na organização criminosa.

Ainda nesta quarta-feira, o juz do caso emitiu um despacho intimando a autoridade policial para esclarecer se, de fato, há alguma prova concreta nesse sentido, uma vez que até o momento este Juízo não foi informado de nada a esse respeito. 

Leia a resposta da Polícia Federal:

"Em relação ao quesito que figurou em alguns interrogatórios, por erro material, constou o nome de COSENZA em relação a eventuais beneficiários de vantagens ilícitas no âmbito da PETROBRAS. Em relação ao outro quesito em que se questiona se os investigados conhecem o mesmo, foi formulado apenas em razão do mesmo ter sucedido a PAULO ROBERTO COSTA, área em que foram identificados os pagamentos, bem como por ter sido seu Gerente Executivo. Cumpre esclarecer que não há, até o momento, nos autos, qualquer elemento que evidencie a participação do atual diretor no esquema de distribuição de vantagens ilícitas no âmbito da PETROBRAS."

PF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência Senado


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas