Natural do Recife, ele morava em São Paulo há 3 anos e era o fotógrafo oficial da campanha de Eduardo Campos

Alexandre Severo nasceu em 1978 em Recife; ele morava em São Paulo há 3 anos
Arquivo pessoal
Alexandre Severo nasceu em 1978 em Recife; ele morava em São Paulo há 3 anos

"O Severo menos severo que conheci". É assim que uma colega de Alexandre Severo resume a personalidade do fotógrafo pernambucano. Reconhecido pela sensibilidade no olhar e apuro técnico, Severo coleciona uma série de prêmios nacionais e condecorações internacionais pelo seu trabalho fotográfico iniciado em 2002.

O fotógrafo é uma das vítimas da queda da aeronave que caiu em Santos, no litoral de São Paulo. No acidente morreram o candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, três outras pessoas que faziam parte da sua equipe de campanha, além do piloto e o copiloto da aeronave.



Leia mais:
Assessores, cinegrafista e fotógrafo também morreram em acidente em Santos
Morre Eduardo Campos, candidato do PSB à Presidência, em acidente de aeronave
Políticos lamentam a morte de Eduardo Campos

Nascido em Recife, em 1978, Severo iniciou sua trajetória profissional no Jornal do Commercio (JC), um dos principais jornais pernambucanos. Foi como fotógrafo da Agência JC Imagens – desde 2004, quando entrou como estagiário, até 2011, quando saiu do jornal –, que o profissional começou a ser reconhecido nacionalmente.

O ensaio  À Flor da Pele , publicado em 2009 pelo JC, é um dos seus trabalhos mais marcantes. Nas fotos – que faziam parte uma reportagem especial do jornal –, Severo registra três crianças albinas nascidas em uma família de negros em uma comunidade pobre de Olinda, em Pernambuco.

Severo ganhou notoriedade internacional com foto de irmãos albinos de Olinda
Alexandre Severo
Severo ganhou notoriedade internacional com foto de irmãos albinos de Olinda

A família dos "negro-galegos [loiros]" – como ficaram conhecidos pela reportagem –precisava de doações para comprar protetores solares especiais para as crianças. A repercussão do caso foi tamanha que o trabalho conseguiu sensibilizar não apenas a sociedade pernambucana como doadores oriundos de outras regiões do Brasil e até de outros países.

Prêmios

Entre os prêmios recebidos pelo ensaio com os albinos está a menção honrosa do 31º Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos de 2009 e o "Picture of The Year" (Foto do Ano, em português) dado pela agência de notícias e imagens Reuters. "O Gato" foi a imagem selecionada pela agência internacional.

Foto
Alexandre Severo
Foto "O Gato" rodou o mundo e sensibilizou doações em prol dos albinos retratados por Severo

Radicado em São Paulo há três anos, Severo também era reconhecido pela sua paixão em retratar manifestações folclóricas brasileiras, especialmente àquelas oriundas do Nordeste, como os maracatus rurais.

Maracatu Rural Cambinda Brasileira no Engenho Cumbe, em Nazaré da Mata, Pernambuco
Alexandre Severo
Maracatu Rural Cambinda Brasileira no Engenho Cumbe, em Nazaré da Mata, Pernambuco

No seu portfólio premiado também se encontra um ensaio "retratístico" dos "novos sertanejos". As imagens compuseram outra reportagem especial publicada pelo JC elaborada em razão da passagem dos 100 anos da morte do escritor Euclides da Cunha.

Com a série de retratos
Alexandre Severo
Com a série de retratos "Sertanejos", Severa busca retratar realidade de um novo sertão

O caderno especial Os Sertões foi consagrado o grande vencedor do Prêmio Esso de 2009. No especial, foi destacado uma série de retratos dos personagens clicados por Severo. Lá estavam vaqueiros e pirateadores, beatos e travestis, cantadoras de incelências [rezas tradicionais] e traficantes, padres e b-boys [rappers].

Um dos seus prêmios mais recentes foi o San José Foto, um festival internacional de fotografia do Uruguai. A condecoração foi dada ao seu trabalho intitulado "Sertanejos" em abril deste ano. 

Severo também já expôs trabalhos em importantes mostras de fotografia no Brasil, como a Paraty em Foco, em exposição fotográfica na Lituânia e até no prestigiado museu Tate Modern, na Inglaterra.

Imagem apresentada em Paraty ilustra uma narrativa fantástica sobre a simbiose entre rio e homem
Alexandre Severo
Imagem apresentada em Paraty ilustra uma narrativa fantástica sobre a simbiose entre rio e homem

Colegas

Outros colegas profissionais como a fotógrafa Flora Pimentel, residente em Recife, também destacam seu prazer em ensinar as técnicas que dominava."Ele sempre foi muito generoso nesse sentido. Ele passava essa generosidade até pelo abraço. Convivi com ele quando eu era estagiária do JC. Compartilhei diversos almoços com Severo. Também dei várias caronas com o meu Gurgel que ele sempre quis comprar. Foi com ele que comecei a entender a luz [da fotografia]. Ele tinha prazer de ensinar", lembra Flora.

Severo era reconhecido como um fotógrafo
Alexandre Severo
Severo era reconhecido como um fotógrafo "brilhante" e sempre disposto a ajudar profissionais menos experientes

Segundo outros amigos próximos, abatidos pela tragédia e que preferiram não se expor, Severo estava "bastante" contente em trabalhar como fotógrafo oficial da campanha de Eduardo Campos.

Uma das últimas fotos registradas por Severo no Rio
Alexandre Severo
Uma das últimas fotos registradas por Severo no Rio
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.