Filho de Lula ri de história sobre fazendas e Friboi, mas quer punir boateiros

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Fábio Luís é alvo de boatos na internet há pelo menos dois anos e pediu a abertura de inquérito para identificar os responsáveis

Brasil Econômico

Fabio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente Lula, foi alvo de piadas e brincadeiras de blogueiros presentes à entrevista com o seu pai na terça-feira, em São Paulo. Ele foi questionado por não estar, naquele momento, cuidando de suas fazendas ou administrando os negócios da Friboi. Lulinha riu. O filho do ex-presidente é alvo de boatos na internet, há pelo menos dois anos, de que seria dono de grandes áreas de terra e supostas mansões e aviões, além de comandar grandes conglomerados empresariais. Uma das áreas mostradas é, na verdade, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Elsalq), de Piracicaba. Agora, ele até trata a questão com bom humor. Mas Lulinha, que acompanhou por mais três horas a entrevista com o pai no Instituto Lula, pediu a abertura de um inquérito no 78º. DP, na capital paulista, para a identificação dos responsáveis por esses comentários.

Seis internautas já foram chamados a depor. Apenas um, Daniel Graziano, ainda não compareceu à delegacia. Daniel Graziano é gerente administrativo e financeiro do Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC), ligado ao ex-presidente tucano. É filho de Xico Graziano, coordenador da área de internet do pré-candidato do PSDB à presidência, Aécio Neves. Procurado no iFHC, ele não retornou. Os outros intimados - Roger Lapan, Adrito Dutra Maciel, Silvio Neves, Paulo Cesar Andrade Prado e Sueli Vicente Ortega – disseram acreditar que os comentários sobre compra de fazendas e aviões fossem verdadeiros e não teriam “pensado na hora de fazer as postagens”. O advogado de Lulinha, Cristiano Zanin Martins, diz aguardar o resultado das investigações para definir se entrará ou não com processo contra as pessoas que “replicaram notícias falsas e macularam a imagem” de seu cliente.

Filho pop

Lulinha mora no bairro do Paraíso, na capital paulista, numa área de classe média. No seu prédio, nenhum morador conversa com ele, de acordo com seu relato. Por outro lado, diz ser abordado o tempo todo pelos porteiros, faxineiros, garçons e frentistas que querem bater papo e perguntar sobre seu pai.

Pessoa com deficiência é tema comum

O presidenciável Aécio Neves (PSDB) visitou ontem a Feira Internacional de Tecnologias de Reabilitação, Inclusão, Acessibilidade e Paradesporto, em São Paulo, com a deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP), que é tetraplégica. Especulada para ser vice do tucano, a deputada afirma que o assunto não foi tratado por eles. O ex-presidente Lula teve uma agenda com tema semelhante. Visitou o projeto “Andar de Novo”, do neurocientista Miguel Nicolelis. O pesquisador desenvolve um exoesqueleto robótico movido pelo cérebro, para pessoas com paralisia voltarem a andar. O sonho da equipe é que um paciente use o equipamento para dar o pontapé inicial da Copa.

Contra o PT, Geddel sairá ao Senado

Inimigo do PT na Bahia, apesar de ter ocupado cargos nos governos Lula e Dilma, o ex-deputado federal Geddel Vieira Lima (PMDB) confirmou sua aliança com o DEM na eleição estadual deste ano. Ele vai disputar o Senado, com o apoio do prefeito de Salvador, ACM Neto. O candidato da chapa ao governo será o ex-governador Paulo Souto. Em seu Twitter, Geddel explica que disputou “a prerrogativa” de concorrer ao governo e foi derrotado, sem “lamento ou amargor”.

Simon decide adiar sua aposentadoria

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) deve disputar a reeleição. O veterano político gaúcho chegou a cogitar sua aposentadoria, depois de três mandatos consecutivos. Ele se reuniu com o pré-candidato do partido ao governo, Ivo Sartori. Os peemedebistas gaúchos estão próximos de se aliar ao PSB no Estado e devem apoiar o presidenciável Eduardo Campos.

Ricardo Ferraço, senador (PMDB-ES), ao apresentar seu relatório da CPI da Espionagem: “Ficou evidente a fragilidade do nosso sistema de telecomunicações, inteligência e defesa cibernética. Estamos expostos à espionagem eletrônica”

*Com Leonardo Fuhrman

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas