Igreja Mundial diz que comprou Canal 21 e quer dinheiro de volta

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com a igreja, do pastor Valdemiro Santiago, a Band não poderia ter cancelado o negócio e decidido arrendar o canal para a Universal do Reino de Deus

Brasil Econômico

A Igreja Mundial do Poder de Deus, do apóstolo Valdemiro Santiago, diz ter feito um contrato de compra e venda do Canal 21 com a Rede Bandeirantes de Televisão - e não de arrendamento - e quer de volta o dinheiro pago, além de multas pela interrupção “unilateral” do negócio. A Mundial diz que entrará com várias ações na Justiça contra a Band. A WS Music, empresa do grupo religioso, diz já ter pago R$ 72 milhões pela emissora, o que representaria 10% do valor total. A igreja arrendava o Canal 21 há 12 anos. No ano passado, teria decidido comprar a emissora. Seus advogados dizem que a Band não poderia ter cancelado o negócio unilateralmente - sem qualquer aviso - e decidido arrendar o canal para uma igreja concorrente, a Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo.

Leia outras colunas do Mosaico Político

De acordo com a Mundial, a Band informou agora que outra empresa, a Rede TV Cidade, é dona de 6% do Canal 21. O nome dessa empresa não apareceu no contrato inicial. A omissão foi atribuída a um “erro de digitação”. Para a Mundial, se a Band não tinha 100% da emissora nem poderia ter feito o negócio sem autorização do parceiro. Assim, a emissora teria cometido irregularidade. A igreja também não concorda com a alegada inadimplência. Diz que o contrato estabelecia uma tolerância de até 45 dias nos pagamentos e esse período não teria sido ultrapassado. A Mundial pede agora uma indenização de R$ 200 milhões. Duas empresas que fizeram a intermediação da compra, a Salomão Comunicação e Negócios e a MT Media Broadcasting, também prometem processar a emissora. A Band diz que não comenta esse tipo de assunto.

PE: aliança entre PT E PTB já é certa

Em Pernambuco, já não há mais dúvidas sobre a aliança entre o PT e o PTB para a eleição ao governo. Os petistas apoiarão o senador do PTB Armando Monteiro e o deputado João Paulo (PT) deve concorrer ao Senado. Grupos rivais no PT já deram o aval a João Paulo.

Jarbas pede a vaga na chapa de Campos

Eduardo Campos terá de resolver em seu Estado, no início de 2014, o imbróglio em torno da candidatura de Jarbas Vasconcelos (PMDB) ao Senado. Aliado de Campos, Jarbas busca a reeleição, mas a vaga na chapa é cobiçada por outros partidos.

Tucano em dúvida entre Câmara e Secretaria

Deputado federal licenciado pelo PSDB, Julio Semeghini, secretário de Planejamento e Desenvolvimento Regional de São Paulo, ainda não decidiu se permanece no posto ou sai para disputar a reeleição.

ES: Cozer busca aliança com PMDB

Petistas do Espírito Santo dizem que João Cozer, ex-prefeito de Vitória e presidente do PT no Estado, defende a união com o PMDB do ex-governador Paulo Hartung. Nessa aliança, Hartung concorre novamente ao governo e o próprio Cozer disputaria o Senado. Oficialmente, o ex-prefeito diz que continua com o PSB do atual governador Renato Casagrande. A direção nacional petista é a favor do acordo com o PMDB.

Pedro Simon cogita disputar vaga à Câmara dos Deputados

Peemedebistas gaúchos dizem que o senador Pedro Simon pode disputar uma vaga na Câmara dos Deputados, em dobradinha com seu filho, Tiago Simon, empresário da área química e advogado, que concorreria a estadual. Simon completará 85 anos em janeiro, quando termina seu mandato. Ele havia desistido da política, mas voltou atrás. Se concorrer ao Senado, ele tira do páreo o ex-governador Germano Rigotto (PMDB).

Luiz Cláudio Marcolino, líder do PT na Assembleia Legislativa paulista, sobre o PSDB barrar as investigações do cartel do Metrô: “Eles estão obstruindo justamente para dificultar o processo investigativo”


Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas