Crime ambiental denunciado no parque ecológico

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Parque Ecológico do Estado é um dos maiores parques urbanos da América Latina, área de proteção permanente, com 14 milhões de metros quadrados

Brasil Econômico

Crimes ambientais estão sendo praticados no Parque Ecológico do Estado, localizado na divisa dos municípios de São Paulo e Guarulhos, segundo denúncia encaminhada à Promotoria do Meio Ambiente do MP paulista e à Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa. O Parque Ecológico é um dos maiores parques urbanos da América Latina. É área de proteção permanente e de proteção ambiental, com 14 milhões de metros quadrados. Um dos autores da denúncia é o arquiteto José Carlos Vieira Henrique. Funcionário de carreira no Estado, ele trabalhava no parque e diz ter sido afastado por não concordar com a destruição de parte da floresta e por denunciar “práticas ilegais”. Segundo Henrique, foram abertas ruas em áreas de florestas do parque.

O objetivo da intervenção era a construção de aceiros (interrupção da mata para evitar propagação de fogo). Foram afetados o Bosque dos Municípios, o Bosque da Diversidade e o Bosque Brasil-Japão, áreas com cerca de 100 mil árvores. As ruas, segundo Henrique, trazem prejuízos para o parque por causa da criação de lagos temporários que destroem parte das árvores. Outro problema é a criação de jardins para a instalação de paineis publicitários numa área de dois quilômetros, próxima da rodovia Ayrton Senna. Foram deixados ali, de acordo com o arquiteto, “três mil caminhões de terra”. A área foi aterrada para elevar os jardins. “Se você aterra a várzea, reduz o lago de acumulação do rio e vai levar, mais à frente nas avenidas marginais, um grande volume de água. Isso causa as enchentes”, afirma Henrique.

DAEE contesta arquiteto  

O Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado (DAEE), responsável pela administração do Parque Ecológico, disse, em nota, que os aceiros estão sendo restaurados e existem “exatamente para proteger a mata do parque de eventuais incêndios”. Sobre os lagos temporários, “a mata em questão está cheio deles, pois trata-se de uma área de várzea, cuja função é a de armazenar as águas das chuvas”, explica o órgão. Quanto ao local de instalação de paineis, o DAEE afirma que “a terra mencionada será aproveitada para a formação de jardins, na tentativa de intimidar o descarte de lixo”. O autor da denúncia foi afastado “porque não trabalhava”, segundo a assessoria do órgão.

Campos dá sinais

O governador Eduardo Campos, pré-candidato à presidência pelo PSB, disse que definirá a chapa da aliança com a Rede nos primeiros meses de 2014. Sobre o fato de Marina Silva estar à frente nas pesquisas, ele afirmou: “Na maioria das vezes, quem está à frente chega atrás”.

Guerra de compadres

O PSDB de Americana, a 120 quilômetros da capital paulista, vive uma guerra fratricida. Os deputados tucanos Vanderlei Macris (federal) e Cauê Macris (estadual), pai e filho , estão em pé de guerra com o prefeito Diego De Nadai, colega de partido. Durante visita do presidenciável Aécio Neves, na última sexta-feira, as divergências causaram cenas constrangedoras.

“As brigas são nossas”, diz prefeito

Os Macris organizaram festa para Aécio na cidade e não convidaram o prefeito. De Nadai apareceu de surpresa, quando Aécio iria iniciar uma caminhada pelo calçadão no centro. O evento foi cancelado. De Nadai tentou amenizar o problema. “As brigas são locais, são nossas”, diz. Vanderlei Macris pediu a intervenção do diretório estadual no comando do partido na cidade.

"Se tiver alguém do PSDB que recebeu propina e se isso ficar provado, tem que ir para a cadeia também"

O presidenciável tucano Aécio Neves, sobre denúncias de cartel na compra de trens em São Paulo

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas