Secretário tucano quer acesso a documentos da Siemens

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Citado no documento como próximo de um lobista do esquema de superfaturamento de contratos do metrô em São Paulo, José Anibal se diz vítima de 'calúnias'

Brasil Econômico

O secretário de Energia do Estado de São Paulo, José Anibal, pediu oficialmente ao Ministério Público paulista acesso ao depoimento e informações repassadas a promotores pelo ex-diretor da Siemens, Everton Rheinheimer, sobre formação de um cartel para a compra de trens do Metrô e da CPTM em São Paulo. Deputado federal licenciado pelo PSDB, Anibal se diz vítima de “injustiça” e “calúnias”. Ele critica o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, por ter entregue à Polícia Federal um relatório anônimo com nomes de políticos tucanos que teriam envolvimento com o cartel. Anibal é citado no documento como próximo de um lobista do esquema. O secretário nega envolvimento e diz ter “nojo” da forma como o documento foi vazado.

Leia outras colunas do Mosaico Político

Na quarta-feira, Anibal assumiu o mandato na Câmara por dois dias apenas para cobrar o ministro da Justiça. “O documento é atribuído a esse Everton, que eu nunca vi na vida. Mas ele nega a autoria”, diz o tucano. “Quero que prossigam essas investigações e quero ter acesso a todos os documentos, já que meu nome foi citado. É preciso celeridade ao processo e que seja tornado público”, pediu. "Esse ministério da Justiça é um chuveiro. Está vazando tudo, por todo lado. É uma nojeira. Houve uma fraude. E quem fez não assume”, acrescentou. Anibal disse que está interpelando judicialmente o ministro, o deputado estadual paulista licenciado Simão Pedro, o PT e o ex-diretor da Siemens. O secretário quer que a PF e o Cade investiguem também contratos da Siemens com o governo federal no valor de R$ 100 bilhões.

A lista de empreendimentos que pagavam propina

O MP e a Prefeitura de São Paulo encontraram uma planilha da quadrilha que fraudava o ISS. A lista tem 410 empreendimentos, que teriam pago propina entre junho de 2010 e outubro de 2011. Segundo a planilha, de R$ 61,4 milhões que deveriam ter sido recolhidos, apenas R$ 2,5 milhões foram para os cofres municipais. O bando arrecadou R$ 29 milhões.

Benefícios da delação, só com fatos novos

O promotor Roberto Bodini diz que as empreiteiras suspeitas de pagar propina à quadrilha que fraudava o ISS não têm se comportado como vítimas. Ele garante que os benefícios da delação premiada só serão dados às empresas que trouxerem fatos novos à investigação.

Ideli pode desistir de candidatura

Por causa da grande derrota em Santa Catarina para o adversário Claudio Vignatti – eleito presidente do PT no Estado – a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, pensa, segundo aliados, até em desistir de concorrer ao Senado.

“É preciso acabar com o Fla-Flu das UPPs”

A antropóloga Alba Zaluar, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), afirma ser preciso “acabar com o Fla-Flu” que envolve a política de implantação das UPPs.(Unidades de Polícia Pacificadora) no Rio de Janeiro. Para ela, é preciso ser cético tanto aos discursos da situação (PMDB, PT) quanto ao da oposição (formada sobretudo por Garotinho e o PSOL), para não cair em maniqueísmos.

Iniciativa não é um “fracasso” nem o sucesso “que querem vender”

“As UPPs não são um fracasso absoluto e nem um sucesso como querem vender. Ouvimos moradores de comunidades ocupadas e eles não querem sua saída, mas um aprofundamento do viés social que foi prometido”, afirma Alba Zaluar, Os moradores reclamam de questões como a ausência de registro de endereço até a entrada de policiais sem mandado judicial nas casas.

"Não há plano B. O que a Fifa pode fazer é rezar a Deus, Alá, ou quem que seja para que não haja mais acidentes relacionados às obras da Copa do Mundo"

Joseph Blater, presidente da Fifa, sobre os atrasos na organização do evento

Leia tudo sobre: Brasil Econômicomosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas