MP vê 'indícios de cartel' e deputado chamado de 'aloprado' desabafa

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Simão Pedro (PT), responsável por denúncias de irregularidades na compra de trens do Metrô em São Paulo, reclamou por ter 'apanhado igual a um cachorro'

Brasil Econômico

O deputado estadual licenciado Simão Pedro (PT), responsável por denúncias sobre um cartel para a compra de trens do Metrô em São Paulo, reclamou por ter “apanhado igual a um cachorro” na semana passada. Chamado de “aloprado” por parlamentares e líderes tucanos. o petista foi acusado de fraudar documentos e encaminhar “denúncia mentirosa” à Polícia Federal e ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica”. Este órgão é dirigido por Vinícius Carvalho, seu ex-chefe de gabinete na Assembleia Legislativa paulista. Anteontem, o promotor Marcelo Milani, do Ministério Público de São Paulo, identificou “indícios de cartel” no Metrô paulista e pediu a suspensão de dez contratos de modernização de 98 trens – num total de R$ 2,5 bilhões.

Leia outras colunas do Mosaico Político

Promotor vê indício de cartel e pede suspensão de contratos do Metrô de SP

O custo unitário de cada trem ficou em torno de 60% de um novo. Milani investiga superfaturamento e outras irregularidades. Um executivo da Siemens, Mark Gough, também declarou à PF - segundo o jornal O Estado de S.Paulo - que parte de US$ 7 milhões que teriam sido desviados pelo ex-presidente da empresa no Brasil, Adilson Primo, pode ter sido utilizada para pagar propina a agentes públicos. Diante dos fatos novos, o deputado desabafou: “Foram feitas investigações a partir de representações encaminhadas por mim. Acionei diversas vezes o Ministério Público solicitando a apuração de desmandos em contratos e obras no Metrô e na CPTM. Agora, quem tem razão e credibilidade nesta história?”, indaga. O caso dos trens reformados foi denunciado pelo deputado no final de 2011. Nesse caso, ele disse ter recebido informações de metroviários.

Contrato não foi incluído em acordo

Os contratos para reforma dos trens em São Paulo, firmados entre 2008 e 2010, não estão incluídos no acordo de leniência entre a Siemens e o Cade. No órgão do governo federal, foram analisados apenas os contratos feitos entre 2000 e 2008.

Não houve espaço

A vaga para o ex-presidente do PT de São Paulo, deputado Edinho Silva, na equipe de coordenação da campanha de Dilma foi um “prêmio de consolação”. Edinho era cotado para a nova Executiva do PT. A pedido do ex-presidente Lula.

Só um adversário para Anastasia

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB), favorito para a eleição ao Senado em Minas – conta com 62,6% em pesquisa de intenção de voto - só tem um adversário certo até o momento, o deputado Ademir Camilo (Pros).

Escola recebe o nome de Dona Lindu

Lula participa hoje, em Diadema, na Grande São Paulo, da inauguração da sede da Escola Livre para Formação Integral do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que receberá o nome de Dona Lindu, em homenagem à mãe do ex-presidente. Amanhã, Lula e o pré-candidato ao governo de SP, Alexandre Padilha, estarão em encontro de vereadores em Itupeva, no interior paulista.

Aécio defende projeto que garante o Bolsa-Família

O senador e pré-candidato do PSDB à presidência, Aécio Neves, defendeu ontem a aprovação de projeto de lei de sua autoria que inclui o Bolsa Família no conjunto de direitos sociais para combate e erradicação da pobreza. O projeto chegou à pauta de votação da Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Ele deve ser votado na próxima semana.

Marcelo Proni, professor do Instituto de Economia da Unicamp, ao afirmar que o governo superestimou os benefícios da Copa: "Estudos introduzem hipóteses que simplificam demais as projeções e ignoram preceitos econômicos"


Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas